Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Romance de 'A Dama e o Vagabundo' não seria possível na vida real; entenda

Especialistas contam se os cachorros e cadelas podem se apaixonar e terem um relacionamento amoroso, como os humanos

RPet|Thaís Sant'Anna, do R7

Imagem do desenho A Dama e o Vagabundo, onde os cachorros em um encontro
Imagem do desenho A Dama e o Vagabundo, onde os cachorros em um encontro Imagem do desenho A Dama e o Vagabundo, onde os cachorros em um encontro

Uma triste notícia aos fãs do clássico A Dama e o Vagabundo, animação da Disney, de 1955 — que teve seu live-action feito em 2019 —, nesta segunda-feira (12), Dia dos Namorados. De acordo com especialistas, a história de amor vivida entre o cachorro e a cadela, com direito até a um date à luz de velas, não existiria na vida real, já que os cães não se apaixonam.

“É totalmente lúdico. Os cães agem por instinto, totalmente levados pelos impulsos sexuais modulados pelos hormônios, sem nenhuma influência da razão, moral ou ética”, diz Ricardo F. de Pauli, veterinário comportamentalista da Comporvet.

Os cachorros e cadelas se relacionam apenas por uma questão de procriação na época de reprodução, seguindo seus instintos animais quando as fêmeas liberam feromônios, hormônios que permitem que seres da mesma espécie se reconheçam e interajam. "Os machos se interessam e vão disputar a presença e o contato com a fêmea para copular e ter filhotes", explica o veterinário André Nunes.

· Compartilhe esta notícia no Whatsapp

Publicidade

· Compartilhe esta notícia no Telegram

“Muitas vezes, a gente interpreta como interesse amoroso, mas é hormonal. Se você botar uma fêmea no cio ao lado de dez machos, todos eles vão se sentir atraídos igualmente. Por dominância, um vai vencer a disputa. É a natureza mesmo agindo”, completa.

Publicidade

Apesar disso, Nunes deixa claro que a afinidade entre alguns cães em uma matilha pode, sim, existir. “Tem cachorros que são mais amigos que outros e tal, mas isso é uma questão de dominância, de empatia mesmo”, afirma.

Cães não se cheiram por interesse amoroso

Cachorros não namoram, mas podem ter seus melhores amigos
Cachorros não namoram, mas podem ter seus melhores amigos Cachorros não namoram, mas podem ter seus melhores amigos

Outro ponto importante para esclarecer é que os cachorros não cheiram uns aos outros nas partes íntimas por uma questão de interesse amoroso ou sexual.

Publicidade

"Os cães se cumprimentam dessa forma, cheirando a região perianal, porque é onde ficam duas glândulas que liberam feromônios, como se fosse a glândula dos gambás, por exemplo. Como se tivessem transmitindo informações de um cão para o outro através do odor. Por isso, os cachorros se cheiram nessa região. Mas não tem conotação sexual nenhuma. Pode se iniciar uma interação de cópula por ali, mas não necessariamente", esclarece o veterinário Pauli.

Não se deve tratar cães como humanos

Para Nunes, alguns tutores acreditam em mitos, como de os cachorros se apaixonarem, e tentam tratar os bichos como gente, o que pode até ser prejudicial. “Acaba trazendo vários problemas comportamentais e de saúde para os animais. Constantemente, os tutores acham que as reações caninas são iguais ao dos humanos, algumas podem ser, mas a maioria não. Tanto psicológicas, quanto fisiológicas”, comenta o veterinário.

Publicidade

“Agora, essa questão da conquista igual ao ser humano não existe. É algo mesmo somente para procriação. Os humanos que ficam querendo interferir nisso e tentando aproximar os cachorros”, complementa.

Beijos, roupas, acessórios e mais: 7 coisas que os humanos fazem e os cachorros detestam

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.