Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 VIRTZ
Publicidade

Hospital infantil ucraniano cuida de pacientes no porão em meio à guerra contra Rússia

Crianças vulneráveis, que não podem ficar sem medicação, estão sendo atendidas por equipe médica no subsolo de clínica

Virtz|Do R7

Pai está com a filha no hospital e a família escondida em outro local
Pai está com a filha no hospital e a família escondida em outro local Pai está com a filha no hospital e a família escondida em outro local

Diante do cenário de guerra na Ucrânia, após a invasão dos militares russos, um hospital infantil em Kiev, capital do país, segue atendendo crianças vulneráveis. Segundo informações da imprensa internacional, os pacientes pediátricos do Hospital Infantil Ohmadyt estão no porão do local. 

No momento, são cerca de 200 pessoas no hospital, de acordo com a Reuters. "São pacientes que não podem receber tratamento médico em casa, não podem ficar sem medicação, sem tratamento médico e sem profissionais de saúde", explicou o cirurgião-chefe Volodymyr Zhovnir.

Entre os pacientes está uma bebê chamada Illiya, que tem problemas cardíacos, e está acompanhada do pai. Em entrevista à ABC News, o pai disse que a mulher dele e os outros seis filhos estão escondidos perto da linha de frente.

Já um menino de 2 anos, chamado David, está internado porque precisa de tratamento de diálise.

Publicidade

Os profissionais de saúde, que estão cuidando destes pacientes, também estão arriscando suas vidas e precisaram se adaptar a este momento. O médico Oleg Gordyk contou à ABC News que sua família está com ele na clínica subterrânea: "Esta semana foi muito, muito difícil para mim porque minha família está hospedada em nossa clínica. Minha filha, de 17 anos, agora trabalha como enfermeira".

Gordyk ainda afirmou que, mesmo diante ao cenário terrível da guerra, ele está esperançoso. "Acredito na vitória. Acredito em talvez, no futuro – amanhã, talvez na próxima semana ou no próximo mês, vejo o sol em nossa clínica", finalizou.

A Ucrânia está sob ataque desde 24 de fevereiro, quando o presidente russo, Vladimir Putin, anunciou uma "operação militar especial".

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.