Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Viva a Vida
Publicidade

Participante de No Limite pega varíola de macacos. Doença se alastra

Flipar

Flipar|Do R7

Matheus Pires, que participou do reality
Matheus Pires, que participou do reality Matheus Pires, que participou do reality
Por causa da doença, que é altamente contagiosa, ele não participa da gravação do episódio final da temporada.
Por causa da doença, que é altamente contagiosa, ele não participa da gravação do episódio final da temporada. Por causa da doença, que é altamente contagiosa, ele não participa da gravação do episódio final da temporada.
Matheus começou a apresentar sintomas da doença no começo da semana e, após exame, teve o diagnóstico confirmado.
Matheus começou a apresentar sintomas da doença no começo da semana e, após exame, teve o diagnóstico confirmado. Matheus começou a apresentar sintomas da doença no começo da semana e, após exame, teve o diagnóstico confirmado.
O comunicado foi feito ao público pelo instagram, explicando sua ausência por causa da necessidade de isolamento.
O comunicado foi feito ao público pelo instagram, explicando sua ausência por causa da necessidade de isolamento. O comunicado foi feito ao público pelo instagram, explicando sua ausência por causa da necessidade de isolamento.
Ele foi internado para tratamento. E recebeu apoio de companheiros do reality pelas redes sociais.
Ele foi internado para tratamento. E recebeu apoio de companheiros do reality pelas redes sociais. Ele foi internado para tratamento. E recebeu apoio de companheiros do reality pelas redes sociais.
Já são mais de 100 casos de varíola de macacos no país, conforme dados passados em 8/7 pelo Ministério da Saúde. Nesta data, o número oficial é de 106 pacientes com a doença.
Já são mais de 100 casos de varíola de macacos no país, conforme dados passados em 8/7 pelo Ministério da Saúde. Nesta data, o número oficial é de 106 pacientes com a doença. Já são mais de 100 casos de varíola de macacos no país, conforme dados passados em 8/7 pelo Ministério da Saúde. Nesta data, o número oficial é de 106 pacientes com a doença.
A disseminação da varíola dos macacos em pessoas tem causado preocupação no mundo inteiro.
A disseminação da varíola dos macacos em pessoas tem causado preocupação no mundo inteiro. A disseminação da varíola dos macacos em pessoas tem causado preocupação no mundo inteiro.
Pessoas têm sido afetadas pelo vírus fora das regiões em que a enfermidade é endêmica. Há registros em pelo menos 16 países.
Pessoas têm sido afetadas pelo vírus fora das regiões em que a enfermidade é endêmica. Há registros em pelo menos 16 países. Pessoas têm sido afetadas pelo vírus fora das regiões em que a enfermidade é endêmica. Há registros em pelo menos 16 países.
Os países endêmicos da varíola dos macacos são: Benin, Camarões, República Centro-Africana, República Democrática do Congo, Gabão (foto), Gana (identificado apenas em animais), Costa do Marfim, Libéria, Nigéria, República do Congo, Serra Leoa e Sudão do Sul.
Os países endêmicos da varíola dos macacos são: Benin, Camarões, República Centro-Africana, República Democrática do Congo, Gabão (foto), Gana (identificado apenas em animais), Costa do Marfim, Libéria, Nigéria, República do Congo, Serra Leoa e Sudão d... Os países endêmicos da varíola dos macacos são: Benin, Camarões, República Centro-Africana, República Democrática do Congo, Gabão (foto), Gana (identificado apenas em animais), Costa do Marfim, Libéria, Nigéria, República do Congo, Serra Leoa e Sudão do Sul.
Mas muitos casos já foram registrados em mais de 40 país. Entre eles, Estados Unidos, Canadá, Austrália, Alemanha, Bélgica, Áustria, Dinamarca, Espanha, França, Israel, Itália, Holanda, Portugal, Reino Unido, Suíça e Suécia.
Mas muitos casos já foram registrados em mais de 40 país. Entre eles, Estados Unidos, Canadá, Austrália, Alemanha, Bélgica, Áustria, Dinamarca, Espanha, França, Israel, Itália, Holanda, Portugal, Reino Unido, Suíça e Suécia. Mas muitos casos já foram registrados em mais de 40 país. Entre eles, Estados Unidos, Canadá, Austrália, Alemanha, Bélgica, Áustria, Dinamarca, Espanha, França, Israel, Itália, Holanda, Portugal, Reino Unido, Suíça e Suécia.
Em maio, a Bélgica é o primeiro a determinar uma quarentena. O Parlamento decidiu que as pessoas com a doença devem ficar isoladas por 21 dias.
Em maio, a Bélgica é o primeiro a determinar uma quarentena. O Parlamento decidiu que as pessoas com a doença devem ficar isoladas por 21 dias. Em maio, a Bélgica é o primeiro a determinar uma quarentena. O Parlamento decidiu que as pessoas com a doença devem ficar isoladas por 21 dias.
Especialistas tentam tranquilizar a população informando que a taxa de mortalidade da varíola dos macacos é 20% menor que a varíola humana.
Especialistas tentam tranquilizar a população informando que a taxa de mortalidade da varíola dos macacos é 20% menor que a varíola humana. Especialistas tentam tranquilizar a população informando que a taxa de mortalidade da varíola dos macacos é 20% menor que a varíola humana.
A varíola humana é uma das doenças mais mortais da história e remonta a 10 mil anos. Teria surgido nos primeiros agrupamentos agrícolas, no nordeste da África.
A varíola humana é uma das doenças mais mortais da história e remonta a 10 mil anos. Teria surgido nos primeiros agrupamentos agrícolas, no nordeste da África. A varíola humana é uma das doenças mais mortais da história e remonta a 10 mil anos. Teria surgido nos primeiros agrupamentos agrícolas, no nordeste da África.
A varíola fez vítimas no Antigo Egito. A múmia de Ramsés V - morto em 1.156 a.C - trazia cicatrizes típicas da doença.
A varíola fez vítimas no Antigo Egito. A múmia de Ramsés V - morto em 1.156 a.C - trazia cicatrizes típicas da doença. A varíola fez vítimas no Antigo Egito. A múmia de Ramsés V - morto em 1.156 a.C - trazia cicatrizes típicas da doença.
A doença chegou ao século 18 com índices de mortalidade que variavam de 20% a 60%. As crianças eram as principais vítimas.
A doença chegou ao século 18 com índices de mortalidade que variavam de 20% a 60%. As crianças eram as principais vítimas. A doença chegou ao século 18 com índices de mortalidade que variavam de 20% a 60%. As crianças eram as principais vítimas.
Em 1776, o inglês Edward Jenner criou um imunizante. Mesmo assim, a doença se manteve (matou 300 milhões só no século XX), até ser erradicada nos anos 1980, com campanha global de vacinação. Na tela de Ernest Board, Jenner vacina James Phipps, de 8 anos, em 14/5/1796.
Em 1776, o inglês Edward Jenner criou um imunizante. Mesmo assim, a doença se manteve (matou 300 milhões só no século XX), até ser erradicada nos anos 1980, com campanha global de vacinação. Na tela de Ernest Board, Jenner vacina James Phipps, de 8 ano... Em 1776, o inglês Edward Jenner criou um imunizante. Mesmo assim, a doença se manteve (matou 300 milhões só no século XX), até ser erradicada nos anos 1980, com campanha global de vacinação. Na tela de Ernest Board, Jenner vacina James Phipps, de 8 anos, em 14/5/1796.
Embora não haja vacina específica para a varíola dos macacos, vários países estão estocando doses contra a varíola comum, para uso em caso de epidemia.
Embora não haja vacina específica para a varíola dos macacos, vários países estão estocando doses contra a varíola comum, para uso em caso de epidemia. Embora não haja vacina específica para a varíola dos macacos, vários países estão estocando doses contra a varíola comum, para uso em caso de epidemia.
Como os vírus das duas doenças são semelhantes, o imunizante tem eficácia de 85% na prevenção.
Como os vírus das duas doenças são semelhantes, o imunizante tem eficácia de 85% na prevenção. Como os vírus das duas doenças são semelhantes, o imunizante tem eficácia de 85% na prevenção.
O presidente americano, Joe Biden, declarou que os EUA estão trabalhando na elaboração de uma vacina específica contra a varíola oriunda dos primatas.
O presidente americano, Joe Biden, declarou que os EUA estão trabalhando na elaboração de uma vacina específica contra a varíola oriunda dos primatas. O presidente americano, Joe Biden, declarou que os EUA estão trabalhando na elaboração de uma vacina específica contra a varíola oriunda dos primatas.
Pesquisadores estudam por que a doença dos macacos está atingindo humanos. Uma possibilidade é que o vírus tenha mudado de forma, mas ainda não há forte indícios de que tenha surgido uma nova variante.
Pesquisadores estudam por que a doença dos macacos está atingindo humanos. Uma possibilidade é que o vírus tenha mudado de forma, mas ainda não há forte indícios de que tenha surgido uma nova variante. Pesquisadores estudam por que a doença dos macacos está atingindo humanos. Uma possibilidade é que o vírus tenha mudado de forma, mas ainda não há forte indícios de que tenha surgido uma nova variante.
Também é possível que a varíola dos macacos esteja se espalhando com mais rapidez por causa da redução da cobertura vacinal da varíola comum.
Também é possível que a varíola dos macacos esteja se espalhando com mais rapidez por causa da redução da cobertura vacinal da varíola comum. Também é possível que a varíola dos macacos esteja se espalhando com mais rapidez por causa da redução da cobertura vacinal da varíola comum.
Já se sabe que o patógeno, relativamente novo, ainda não tem grande capacidade de multiplicação. É um vírus estável e varia pouco.
Já se sabe que o patógeno, relativamente novo, ainda não tem grande capacidade de multiplicação. É um vírus estável e varia pouco. Já se sabe que o patógeno, relativamente novo, ainda não tem grande capacidade de multiplicação. É um vírus estável e varia pouco.
No fim de maio, o Ministério da Saúde montou uma sala destinada a monitorar a possível chegada da varíola dos macacos ao Brasil.
No fim de maio, o Ministério da Saúde montou uma sala destinada a monitorar a possível chegada da varíola dos macacos ao Brasil. No fim de maio, o Ministério da Saúde montou uma sala destinada a monitorar a possível chegada da varíola dos macacos ao Brasil.
A doença é transmitida por contato direto, por meio de secreções e fluidos do corpo. Não há indicações de transmissão por via respiratória.
A doença é transmitida por contato direto, por meio de secreções e fluidos do corpo. Não há indicações de transmissão por via respiratória. A doença é transmitida por contato direto, por meio de secreções e fluidos do corpo. Não há indicações de transmissão por via respiratória.
O contágio também ocorre pelo uso de roupas, lençóis e toalhas de pessoas contaminadas.
O contágio também ocorre pelo uso de roupas, lençóis e toalhas de pessoas contaminadas. O contágio também ocorre pelo uso de roupas, lençóis e toalhas de pessoas contaminadas.
As erupções cutâneas são o principal sintoma da doença, podendo haver febre, mal-estar, dor no corpo e dor de cabeça. A pessoa sente uma coceira dolorida e as lesões vão se espalhando pelo corpo e formando casquinhas.
As erupções cutâneas são o principal sintoma da doença, podendo haver febre, mal-estar, dor no corpo e dor de cabeça. A pessoa sente uma coceira dolorida e as lesões vão se espalhando pelo corpo e formando casquinhas. As erupções cutâneas são o principal sintoma da doença, podendo haver febre, mal-estar, dor no corpo e dor de cabeça. A pessoa sente uma coceira dolorida e as lesões vão se espalhando pelo corpo e formando casquinhas.
Uma boa recuperação a Matheus e que volte logo às atividades.
Uma boa recuperação a Matheus e que volte logo às atividades. Uma boa recuperação a Matheus e que volte logo às atividades.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.