Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Venezuela tenta preservar vestígios de sua última geleira

Flipar|

As mudanças climáticas têm afetado diretamente a última geleira da Venezuela. Restam apenas uma rocha exposta e um pequeno pedaço de gelo. O governo local tem feito algumas ações para preservar últimos vestígios da geleira La Corona, localizada no Pico Humboldt.
As mudanças climáticas têm afetado diretamente a última geleira da Venezuela. Restam apenas uma rocha exposta e um pequeno pedaço de gelo. O governo local tem feito algumas ações para preservar últimos vestígios da geleira La Corona, localizada no Pico... As mudanças climáticas têm afetado diretamente a última geleira da Venezuela. Restam apenas uma rocha exposta e um pequeno pedaço de gelo. O governo local tem feito algumas ações para preservar últimos vestígios da geleira La Corona, localizada no Pico Humboldt. (Flipar)
O governo local, portanto, planeja utilizar mantas geotêxteis (malhas térmicas de polipropileno) para tentar mitigar a incidência dos raios solares na superfície do gelo. O que sobra dela poderá desaparecer completamente em 4 ou 5 anos.
O governo local, portanto, planeja utilizar mantas geotêxteis (malhas térmicas de polipropileno) para tentar mitigar a incidência dos raios solares na superfície do gelo. O que sobra dela poderá desaparecer completamente em 4 ou 5 anos. O governo local, portanto, planeja utilizar mantas geotêxteis (malhas térmicas de polipropileno) para tentar mitigar a incidência dos raios solares na superfície do gelo. O que sobra dela poderá desaparecer completamente em 4 ou 5 anos. (Flipar)
Um ciclo de recuo das geleiras começou no século XIX e se acelerou no século XX, devido às emissões de gases de efeito estufa. A inspiração para salvá-la foi uma técnica utilizada em estações de esqui de países como a França, Suíça e Itália.
Um ciclo de recuo das geleiras começou no século XIX e se acelerou no século XX, devido às emissões de gases de efeito estufa. A inspiração para salvá-la foi uma técnica utilizada em estações de esqui de países como a França, Suíça e Itália. Um ciclo de recuo das geleiras começou no século XIX e se acelerou no século XX, devido às emissões de gases de efeito estufa. A inspiração para salvá-la foi uma técnica utilizada em estações de esqui de países como a França, Suíça e Itália. (Flipar)
O declínio das geleiras têm impactado todo o mundo. No entanto, a Venezuela, localizada no coração dos trópicos, é o primeiro país na cordilheira dos Andes a perdê-las por completo.
O declínio das geleiras têm impactado todo o mundo. No entanto, a Venezuela, localizada no coração dos trópicos, é o primeiro país na cordilheira dos Andes a perdê-las por completo. O declínio das geleiras têm impactado todo o mundo. No entanto, a Venezuela, localizada no coração dos trópicos, é o primeiro país na cordilheira dos Andes a perdê-las por completo. (Flipar)
Anteriormente, o país abrigava cinco geleiras, que cobriam aproximadamente mil hectares de gelo. Para salvá-la, as autoridades decidiram cobri-la com uma manta gigantesca para evitar seu derretimento. Um método controverso, segundo especialistas.
Anteriormente, o país abrigava cinco geleiras, que cobriam aproximadamente mil hectares de gelo. Para salvá-la, as autoridades decidiram cobri-la com uma manta gigantesca para evitar seu derretimento. Um método controverso, segundo especialistas. Anteriormente, o país abrigava cinco geleiras, que cobriam aproximadamente mil hectares de gelo. Para salvá-la, as autoridades decidiram cobri-la com uma manta gigantesca para evitar seu derretimento. Um método controverso, segundo especialistas. (Flipar)
“O recuo dos glaciares é um processo natural, acelerado pelas mudanças climáticas, mas neste caso o que resta do gelo está no topo e numa superfície muito pequena que não chega a dois hectares
“O recuo dos glaciares é um processo natural, acelerado pelas mudanças climáticas, mas neste caso o que resta do gelo está no topo e numa superfície muito pequena que não chega a dois hectares “O recuo dos glaciares é um processo natural, acelerado pelas mudanças climáticas, mas neste caso o que resta do gelo está no topo e numa superfície muito pequena que não chega a dois hectares (Flipar)
Flipar
Flipar Flipar (Flipar)
Ecologistas e acadêmicos estão fazendo um abaixo-assinado para evitar a colocação da capa no glaciar. A cobertura pode atrapalhar os estudos de colonização da vegetação e apresenta riscos de contaminação.
Ecologistas e acadêmicos estão fazendo um abaixo-assinado para evitar a colocação da capa no glaciar. A cobertura pode atrapalhar os estudos de colonização da vegetação e apresenta riscos de contaminação. Ecologistas e acadêmicos estão fazendo um abaixo-assinado para evitar a colocação da capa no glaciar. A cobertura pode atrapalhar os estudos de colonização da vegetação e apresenta riscos de contaminação. (Flipar)
A Venezuela não é o único país da América do Sul afetado pelo derretimento dos seus glaciares. Segundo projeções científicas, os Andes perderão grande parte da sua massa glaciar até ao final do século.
A Venezuela não é o único país da América do Sul afetado pelo derretimento dos seus glaciares. Segundo projeções científicas, os Andes perderão grande parte da sua massa glaciar até ao final do século. A Venezuela não é o único país da América do Sul afetado pelo derretimento dos seus glaciares. Segundo projeções científicas, os Andes perderão grande parte da sua massa glaciar até ao final do século. (Flipar)
Chimboraço é um estratovulcão do Equador, sendo a mais alta montanha do país e do mundo, se medida desde o topo até ao centro da Terra. Está a 6263 m de altitude e situa-se perto de Riobamba, a cerca de 180 km ao sul de Quito.
Chimboraço é um estratovulcão do Equador, sendo a mais alta montanha do país e do mundo, se medida desde o topo até ao centro da Terra. Está a 6263 m de altitude e situa-se perto de Riobamba, a cerca de 180 km ao sul de Quito. Chimboraço é um estratovulcão do Equador, sendo a mais alta montanha do país e do mundo, se medida desde o topo até ao centro da Terra. Está a 6263 m de altitude e situa-se perto de Riobamba, a cerca de 180 km ao sul de Quito. (Flipar)
É o pico mais alto dos Andes equatoriais, dominando uma região de 50 mil km² e apresentando uma base de 20 km de diâmetro. É o 17.º monte de maior proeminência topográfica do mundo.
É o pico mais alto dos Andes equatoriais, dominando uma região de 50 mil km² e apresentando uma base de 20 km de diâmetro. É o 17.º monte de maior proeminência topográfica do mundo. É o pico mais alto dos Andes equatoriais, dominando uma região de 50 mil km² e apresentando uma base de 20 km de diâmetro. É o 17.º monte de maior proeminência topográfica do mundo. (Flipar)
A Upsala é uma geleira que cobre um vale composto e alimentado por vários glaciares, no Parque Nacional Los Glaciares, Argentina. O seu nome se deve ao fato da Universidade de Uppsala, da Suécia, ter realizado o primeiro levantamento da região no século XX.
A Upsala é uma geleira que cobre um vale composto e alimentado por vários glaciares, no Parque Nacional Los Glaciares, Argentina. O seu nome se deve ao fato da Universidade de Uppsala, da Suécia, ter realizado o primeiro levantamento da região no sécul... A Upsala é uma geleira que cobre um vale composto e alimentado por vários glaciares, no Parque Nacional Los Glaciares, Argentina. O seu nome se deve ao fato da Universidade de Uppsala, da Suécia, ter realizado o primeiro levantamento da região no século XX. (Flipar)
Seus campos de gelo cobrem uma extensão de 765 km². O glaciar possui uma extensão de 53,7 km, sendo o terceiro mais longo da América do Sul (após o Pio XI e o glaciar Viedma), e suas paredes alcançam a altura de 40 metros em média.
Seus campos de gelo cobrem uma extensão de 765 km². O glaciar possui uma extensão de 53,7 km, sendo o terceiro mais longo da América do Sul (após o Pio XI e o glaciar Viedma), e suas paredes alcançam a altura de 40 metros em média. Seus campos de gelo cobrem uma extensão de 765 km². O glaciar possui uma extensão de 53,7 km, sendo o terceiro mais longo da América do Sul (após o Pio XI e o glaciar Viedma), e suas paredes alcançam a altura de 40 metros em média. (Flipar)
A Sierra Nevada de Santa Marta é uma cadeia montanhosa que corre pela Colômbia, isolada dos Andes por zonas planas e semi-áridas. Alcançando 5775 metros de altitude e a apenas 42 km do Mar do Caribe, é a mais alta cordilheira costeira do mundo.
A Sierra Nevada de Santa Marta é uma cadeia montanhosa que corre pela Colômbia, isolada dos Andes por zonas planas e semi-áridas. Alcançando 5775 metros de altitude e a apenas 42 km do Mar do Caribe, é a mais alta cordilheira costeira do mundo. A Sierra Nevada de Santa Marta é uma cadeia montanhosa que corre pela Colômbia, isolada dos Andes por zonas planas e semi-áridas. Alcançando 5775 metros de altitude e a apenas 42 km do Mar do Caribe, é a mais alta cordilheira costeira do mundo. (Flipar)
Localiza-se nos departamentos de Guajira, Magdalena e Cesar. Os pontos mais elevados são o Pico Cristóbal Colón e o Pico Simón Bolívar.
Localiza-se nos departamentos de Guajira, Magdalena e Cesar. Os pontos mais elevados são o Pico Cristóbal Colón e o Pico Simón Bolívar. Localiza-se nos departamentos de Guajira, Magdalena e Cesar. Os pontos mais elevados são o Pico Cristóbal Colón e o Pico Simón Bolívar. (Flipar)
Nevado del Ruiz é um vulcão nevado (em seu cume possui neve eterna apesar de estar ativo), situado na cordilheira Central, na Colômbia, nas áreas de Caldas e Tolima. Atinge os 5 321 metros de altitude no cume e é o mais setentrional e maior desta cadeia vulcânica.
Nevado del Ruiz é um vulcão nevado (em seu cume possui neve eterna apesar de estar ativo), situado na cordilheira Central, na Colômbia, nas áreas de Caldas e Tolima. Atinge os 5 321 metros de altitude no cume e é o mais setentrional e maior desta cadei... Nevado del Ruiz é um vulcão nevado (em seu cume possui neve eterna apesar de estar ativo), situado na cordilheira Central, na Colômbia, nas áreas de Caldas e Tolima. Atinge os 5 321 metros de altitude no cume e é o mais setentrional e maior desta cadeia vulcânica. (Flipar)
Sobrevivente da última glaciação e portador de 24 mil anos de existência majestosa, o Glaciar Torrecillas se desdobra como uma manta branca de gelo que corta as nuvens. Recebendo menos luz a sua formação glacial é preservada.
Sobrevivente da última glaciação e portador de 24 mil anos de existência majestosa, o Glaciar Torrecillas se desdobra como uma manta branca de gelo que corta as nuvens. Recebendo menos luz a sua formação glacial é preservada. Sobrevivente da última glaciação e portador de 24 mil anos de existência majestosa, o Glaciar Torrecillas se desdobra como uma manta branca de gelo que corta as nuvens. Recebendo menos luz a sua formação glacial é preservada. (Flipar)
O Glaciar Torrecillas está localizado em uma zona de transição entre a floresta andina da Patagônia e a selva Valdiviana, onde a diversidade da paisagem muda com as estações, oferecendo uma vista de indescritível beleza majestosa e dinâmica.
O Glaciar Torrecillas está localizado em uma zona de transição entre a floresta andina da Patagônia e a selva Valdiviana, onde a diversidade da paisagem muda com as estações, oferecendo uma vista de indescritível beleza majestosa e dinâmica. O Glaciar Torrecillas está localizado em uma zona de transição entre a floresta andina da Patagônia e a selva Valdiviana, onde a diversidade da paisagem muda com as estações, oferecendo uma vista de indescritível beleza majestosa e dinâmica. (Flipar)
Com seus 5897m, Cotopaxi é considerado um dos vulcões ativos mais altos do mundo. No Equador, é um cone perfeitamente simétrico, coberto por uma grossa manta de neve e gelo, graciosamente sobe de um belo planalto páramo.
Com seus 5897m, Cotopaxi é considerado um dos vulcões ativos mais altos do mundo. No Equador, é um cone perfeitamente simétrico, coberto por uma grossa manta de neve e gelo, graciosamente sobe de um belo planalto páramo. Com seus 5897m, Cotopaxi é considerado um dos vulcões ativos mais altos do mundo. No Equador, é um cone perfeitamente simétrico, coberto por uma grossa manta de neve e gelo, graciosamente sobe de um belo planalto páramo. (Flipar)
Uma das geleiras da América do Sul deve seu nome ao botânico e micologista ítalo-argentino Carlo Luigi Spegazzini. Na frente do glaciar, é formada pela confluência de duas correntes de gelo distintas que descem lentamente para o leste da cordilheira dos Andes.
Uma das geleiras da América do Sul deve seu nome ao botânico e micologista ítalo-argentino Carlo Luigi Spegazzini. Na frente do glaciar, é formada pela confluência de duas correntes de gelo distintas que descem lentamente para o leste da cordilheira do... Uma das geleiras da América do Sul deve seu nome ao botânico e micologista ítalo-argentino Carlo Luigi Spegazzini. Na frente do glaciar, é formada pela confluência de duas correntes de gelo distintas que descem lentamente para o leste da cordilheira dos Andes. (Flipar)
Suas paredes, as mais altas de todas as geleiras, chegam a 135 metros de altura e se estendem por 1,5 km. O Spegazzini cobre uma área de 66 km2.
Suas paredes, as mais altas de todas as geleiras, chegam a 135 metros de altura e se estendem por 1,5 km. O Spegazzini cobre uma área de 66 km2. Suas paredes, as mais altas de todas as geleiras, chegam a 135 metros de altura e se estendem por 1,5 km. O Spegazzini cobre uma área de 66 km2. (Flipar)
Quelccaya é uma bela geleira em Cusco, no Peru, que é a maior de toda zona tropical do mundo. Este gigante branco também é chamado de Calota de Gelo de Quelccaya.
Quelccaya é uma bela geleira em Cusco, no Peru, que é a maior de toda zona tropical do mundo. Este gigante branco também é chamado de Calota de Gelo de Quelccaya. Quelccaya é uma bela geleira em Cusco, no Peru, que é a maior de toda zona tropical do mundo. Este gigante branco também é chamado de Calota de Gelo de Quelccaya. (Flipar)
Quelccaya possui um comprimento superior a 17 km, uma área de 44 km² e uma camada de gelo de 200 m de espessura.
Quelccaya possui um comprimento superior a 17 km, uma área de 44 km² e uma camada de gelo de 200 m de espessura. Quelccaya possui um comprimento superior a 17 km, uma área de 44 km² e uma camada de gelo de 200 m de espessura. (Flipar)
Patrimônio da Humanidade pela UNESCO desde 1981, o Glaciar Perito Moreno está localizado no Parque Nacional Los Glaciares, na Patagônia Argentina a cerca de 80 km da cidade de El Calafate, principal porta de entrada do parque.
Patrimônio da Humanidade pela UNESCO desde 1981, o Glaciar Perito Moreno está localizado no Parque Nacional Los Glaciares, na Patagônia Argentina a cerca de 80 km da cidade de El Calafate, principal porta de entrada do parque. Patrimônio da Humanidade pela UNESCO desde 1981, o Glaciar Perito Moreno está localizado no Parque Nacional Los Glaciares, na Patagônia Argentina a cerca de 80 km da cidade de El Calafate, principal porta de entrada do parque. (Flipar)
Com 250 km² de extensão, 30 km de comprimento e 74 metros de altura acima da superfície do Lago Argentino, Perito Moreno é uma das 48 geleiras alimentadas pelo Campo de Hielo Sur, a terceira maior reserva de água doce do mundo.
Com 250 km² de extensão, 30 km de comprimento e 74 metros de altura acima da superfície do Lago Argentino, Perito Moreno é uma das 48 geleiras alimentadas pelo Campo de Hielo Sur, a terceira maior reserva de água doce do mundo. Com 250 km² de extensão, 30 km de comprimento e 74 metros de altura acima da superfície do Lago Argentino, Perito Moreno é uma das 48 geleiras alimentadas pelo Campo de Hielo Sur, a terceira maior reserva de água doce do mundo. (Flipar)
O Nevado Pastoruri é uma montanha de 5240 metros de altitude, de onde começa a geleira de mesmo nome, que está derretendo e se transformando em um lago aos pés da montanha. A previsão para que o Glaciar Pastoruri suma de vez é de cerca de 10 anos.
O Nevado Pastoruri é uma montanha de 5240 metros de altitude, de onde começa a geleira de mesmo nome, que está derretendo e se transformando em um lago aos pés da montanha. A previsão para que o Glaciar Pastoruri suma de vez é de cerca de 10 anos. O Nevado Pastoruri é uma montanha de 5240 metros de altitude, de onde começa a geleira de mesmo nome, que está derretendo e se transformando em um lago aos pés da montanha. A previsão para que o Glaciar Pastoruri suma de vez é de cerca de 10 anos. (Flipar)
O Nevado Pastoruri é uma destas joias que serão perdidas com o tempo. Infelizmente, as mudanças climáticas têm impactado a região drasticamente, causando o derretimento da maioria dos glaciais e de parte das montanhas nevadas da Cordilheira Branca.
O Nevado Pastoruri é uma destas joias que serão perdidas com o tempo. Infelizmente, as mudanças climáticas têm impactado a região drasticamente, causando o derretimento da maioria dos glaciais e de parte das montanhas nevadas da Cordilheira Branca. O Nevado Pastoruri é uma destas joias que serão perdidas com o tempo. Infelizmente, as mudanças climáticas têm impactado a região drasticamente, causando o derretimento da maioria dos glaciais e de parte das montanhas nevadas da Cordilheira Branca. (Flipar)
Um estudo inédito divulgado pelo MapBiomas, em 2022, mostra que quase metade das geleiras da Cordilheira dos Andes desapareceu nos últimos 30 anos. Na prática, a dimensão da área passou de 2.429,38 km2 para 1.409,11 km2 em três décadas.
Um estudo inédito divulgado pelo MapBiomas, em 2022, mostra que quase metade das geleiras da Cordilheira dos Andes desapareceu nos últimos 30 anos. Na prática, a dimensão da área passou de 2.429,38 km2 para 1.409,11 km2 em três décadas. Um estudo inédito divulgado pelo MapBiomas, em 2022, mostra que quase metade das geleiras da Cordilheira dos Andes desapareceu nos últimos 30 anos. Na prática, a dimensão da área passou de 2.429,38 km2 para 1.409,11 km2 em três décadas. (Flipar)
De acordo com os pesquisadores do MapBiomas, organização voltada para causas ambientais, o aumento no número de incêndios no bioma gerou uma maior liberação de carbono negro na atmosfera, elemento que tem origem da combustão de madeiras ou combustíveis fósseis.
De acordo com os pesquisadores do MapBiomas, organização voltada para causas ambientais, o aumento no número de incêndios no bioma gerou uma maior liberação de carbono negro na atmosfera, elemento que tem origem da combustão de madeiras ou combustíveis... De acordo com os pesquisadores do MapBiomas, organização voltada para causas ambientais, o aumento no número de incêndios no bioma gerou uma maior liberação de carbono negro na atmosfera, elemento que tem origem da combustão de madeiras ou combustíveis fósseis. (Flipar)

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.