Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Endividamento e inadimplência: como vencer esses desafios

Feirões limpa-nome, perdão de dívida, diminuição de juros: por que nada disso tem funcionado para acabar com a inadimplência?  

Patricia Lages|Do R7 e Patricia Lages

Desenrola Brasil poderá beneficiar até 70 milhões de endividados
Desenrola Brasil poderá beneficiar até 70 milhões de endividados Desenrola Brasil poderá beneficiar até 70 milhões de endividados

Segundo dados do SPC Brasil e da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL), 60,2 milhões de brasileiros encerraram o ano de 2017 com o CPF negativado, ou seja, com uma ou mais dívidas vencidas que levaram seu nome aos cadastros de devedores.

De lá para cá foram realizados inúmeros programas e feirões de renegociação para propor facilidades ao devedor, como a diminuição e até mesmo a retirada total dos juros e a possibilidade de parcelamento com mensalidades de valor mais baixo.

Mesmo com todas essas medidas, a situação atual se mostra ainda pior. Segundo o Mapa da Inadimplência e Renegociação de Dívidas da Serasa, em julho deste ano o número de inadimplentes foi de 71,41 milhões, ou seja, um salto de quase 19% em menos de seis anos. Além desse aumento, o valor das dívidas também cresceu.

Em julho de 2022, o valor médio das dívidas por pessoa era de R$ 4.253,26, o que somou R$ 287,6 bilhões em dívidas, ou seja, um montante que deixou de circular no país e corroeu o orçamento dos devedores com a cobrança de juros. Já em julho de 2023, o valor médio das dívidas por pessoa subiu para R$ 4.923,97, e a soma das dívidas bateu a casa dos R$ 351,6 bilhões.

Publicidade

Por outro lado, um levantamento do Banco Central e da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) mostrou que 70% dos brasileiros gastam o salário todo ou mais, o que representa cerca de 150 milhões de pessoas sem planejamento ou controle financeiro.

O que as estatísticas demonstram é que a inadimplência se tornou um problema crônico no país, ou seja, as causas não vêm apenas de situações ocasionais ou emergenciais, mas sim de situações comportamentais. É comum ao brasileiro gastar tudo ou mais do que ganha e usar o crédito como complemento de renda.

Publicidade

Os programas de renegociação não têm sido suficientes para tirar as pessoas das dívidas, pois eles simplesmente remediam o problema sem combater a causa. A falta de educação financeira e uma vasta oferta de crédito são as principais fontes da inadimplência. É preciso que o inadimplente entenda o que o levou a essa situação e mudar suas atitudes para alcançar resultados diferentes.

Enquanto isso não for feito, qualquer medida paliativa — por melhores que sejam as intenções — será como tapar o sol com a peneira.

Abono salarial PIS/Pasep ainda tem mais de R$ 400 milhões esquecidos

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.