Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Mês da mulher: iniciativas que pretendem ajudar só atrapalham

Quase tudo que envolve a mulher inclui ajudas, redes de apoio e um emaranhado de iniciativas. Precisamos mesmo de tudo isso?

Patricia Lages|Do R7 e Patricia Lages

Lugar de mulher é onde ela quiser, não onde a sociedade determina
Lugar de mulher é onde ela quiser, não onde a sociedade determina Lugar de mulher é onde ela quiser, não onde a sociedade determina (Divulgação)

Já que hoje em dia não é mais permitido que todos opinem sobre o que quiserem, vou aproveitar meu “lugar de fala” uma vez que sou mulher (e enquanto ainda podemos usar essa palavra).

Como jornalista, recebo dezenas de sugestões de pauta todos os dias e, invariavelmente, todo mês de março é recheado de releases com “questões femininas”. Mas não exatamente com assuntos específicos às particularidades das mulheres, mas sim, com pautas que nos colocam como quem precisa de muita ajuda para chegar aonde quer.

A título de exemplo, só hoje, primeiro dia do mês da mulher, estes foram alguns temas:

• O que fazer para que mais mulheres ocupem cargos de liderança?

Publicidade

• Mulheres à frente de setores masculinos devem ajudar-se mutuamente e não serem rivais

• Como incentivar mais mulheres a ingressar no mercado financeiro

Publicidade

• Visibilidade para empresas lideradas por mulheres

• O futuro é feminino: como apoiar o sucesso de mulheres empresárias

Publicidade

• Como ajudar mulheres a alcançar sua independência financeira

Ao mesmo tempo que os releases afirmam que as mulheres são empoderadas e competentes – alguns até sugerem que somos melhores do que os homens – o conteúdo das pautas destaca quase sempre que nós precisamos de apoio, ajuda, incentivos e de algo ou alguém que nos leve aos lugares onde supostamente deveríamos estar.

De novo (para que ninguém esqueça do meu “lugar de fala”): eu sou uma mulher, filha de um mecânico e de uma vendedora porta a porta, nascida em bairro pobre, estudante de escola pública e que já passou muita necessidade, desde inúmeros cortes de água e luz por falta de recursos financeiros, até insegurança alimentar e fome. Porém, se há uma coisa que a necessidade me ensinou foi a não depender de ninguém.

Por mais que eu tenha ido muitas vezes à escola com fome e sem o material necessário, nunca usei isso como desculpa para não aprender. Por mais que nenhuma oportunidade bateu à minha porta, aprendi a bater na porta das oportunidades. E por mais que eu fosse ninguém, sabia que cabia a mim me tornar alguém.

Foi assim que construí minha carreira profissional, trabalhei em três países além do Brasil falando três idiomas, alcancei cargos de liderança e independência financeira e hoje tenho o privilégio de escolher os trabalhos e projetos que quero realizar.

Não tirei o emprego de nenhum homem e nenhum homem tirou meu lugar. Conquistei posições por competência e não por ser mulher ou ter recebido ajudas, apoios ou empurrõezinhos. Nunca pedi privilégios ou tratamento especial por ser mulher e nem fui impedida de fazer algo pelo mesmo motivo. Minha carreira sempre foi baseada em resultados e não em gênero.

Os programas de incentivo ao crescimento profissional deveriam ser para todos, premiando conhecimento, o mérito e a competência e reconhecendo que todos temos um papel importante no mundo corporativo. Os líderes precisam de pessoas com perfil para serem liderados, as empresas precisam de pessoas que planejam e outras que executam, a economia precisa de pessoas experientes e de inexperientes, dos mais velhos e dos mais jovens, de homens e de mulheres.

Sob esse aspecto, em vez das pautas anteriores, os temas deveriam ser:

• O que fazer para que pessoas com perfil de liderança ocupem cargos de liderança?

• Pessoas à frente de seus setores devem ajudar-se mutuamente e não serem rivais

• Como incentivar mais pessoas a ingressar no mercado financeiro

• Visibilidade para empresas inovadoras, criativas e com soluções reais

• O futuro é de todos: como apoiar o sucesso do empresariado que produz e emprega

• Como ajudar pessoas a alcançar independência financeira

A sociedade precisa abandonar essa bipolaridade de afirmar que a mulher é empoderada, mas se não tiver ajuda não chegará a lugar algum. Afinal, que tipo de poder é esse? Mais do que isso: a sociedade precisa deixar que as próprias mulheres definam o lugar que querem estar e não ditando regras e nos empurrando para onde dizem que devemos ir. Já diziam os mais antigos: muito ajuda quem não atrapalha.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.