Carnaval 2015 Sem água e dinheiro em caixa, cidades mineiras cancelam Carnaval

Sem água e dinheiro em caixa, cidades mineiras cancelam Carnaval

Problemas atingem ao menos doze municípios no centro-oeste

Sem água e dinheiro em caixa, cidades mineiras cancelam Carnaval

Cidades do centro-oeste mineiro vão ficar sem folia no Carnaval deste ano. Por falta de água, cinco municípios já cancelaram as festas para conseguir economizar o recurso. Itapecerica, Itaguara, São Gonçalo do Pará, Oliveira e Itabira confirmaram que quem quiser aproveitar o feriado vai precisar sair de casa.

Leia mais notícias de Minas Gerais no Portal R7

Outras prefeituras desistiram de bancar os shows por falta de dinheiro em caixa: Formiga, Arcos, Cláudio, Santa Maria de Itabira, Piracema, São Francisco de Paula e Mateus Leme vão substituir os gastos por pagamento a fornecedores e conclusão de postos de saúde.

Carmópolis de Minas, Carmo da Mata e Passatempo alegaram um motivo inusitado: como as vizinhas desistiram da festa, os prefeitos também decidiram cancelar para não receber excesso de visitantes, o que comprometeria o abastecimento e a segurança.

A multidão de turistas que invade as principais festas do interior de Minas, em Ouro Preto e Diamantina, pode sofrer racionamento em pleno Carnaval. Os moradores de Ouro Preto já convivem com o rodízio há uma semana — e, se não chover, não há data para normalizar o abastecimento.

O secretário de Cultura e Turismo de Itapecerica, Wellington Daniel Cruz, aponta que a cidade recebe 10 mil foliões por noite, e que o cancelamento vai prejudicar o comércio, transporte e hotelaria.

— Vai ser a primeira vez que Itapecerica cancela o Carnaval por falta d'água.

O prefeito de Itabira, Damon Lázaro de Sena, que anunciou na sexta-feira (23) o cancelamento das festas no município, afirmou que a decisão é para "não prejudicar toda a população futuramente".

— Não sabemos ao certo quanto tempo mais esta seca vai durar e quanto ela poderá nos obrigar a investir imediatamente para minimizar seu impacto. Quanto à questão financeira, o Governo Federal já sinalizou um primeiro semestre de retração econômica. O cenário neste início de ano não está bom para município nenhum.