Bloco faz vaquinha para alugar trio e conseguir sair no Carnaval de BH

Carro de som da equipe está entre os que foram barrados pela polícia por problemas na documentação; festa começou com duas horas de atraso

Bloco alugou trio de último de última hora

Bloco alugou trio de último de última hora

Reprodução / Record TV Minas

A organização do bloco “A Roda de Timbau” correu contra o tempo para colocar bateria na rua para o Carnaval de Belo Horizonte, nesta quinta-feira (20). O grupo teve menos de 24 horas para fazer uma “vaquinha”, alugar um trio elétrico e mudar a rota do desfile.

O problema aconteceu após o dono do carro de som alugado pela equipe não conseguir regularizar a documentação junto ao Detran (Departamento de Trânsito de Minas Gerais). A situação gerou um impasse entre blocos e o poder público desde o último fim de semana, quando dois veículos foram apreendidos por não estar de acordo com a lei.

Luíza Alana, organizadora da “Roda” lembra que o grupo e outros blocos tinham esperança de conseguir a liberação com a ajuda de uma decisão da Justiça, o pedido, no entanto, foi negado durante a manhã.

— Em menos de 24 horas tive que produzir o desfile inteiro. O trabalho que fazia desde abril passado caiu por terra.

Inicialmente, a bateria iria sair da rua Itajubá, no bairro Floresta, na região Leste da capital mineira, em um caminhão-prancha adaptado que carrega a banda na carroceria. Como o veículo estava com a documentação atualizada, foi necessário alugar um trio elétrico que não poderia fazer o mesmo trajeto. A solução foi mudar o local do evento, que aconteceu na rua Sapucaí.

— Eu recebi a autorização dos bombeiros para trafegar na Sapucaí às 16h30. Até este horário, eu não estava segura de botar o bloco na rua.

Luíza conta que a festa estava prevista para começar às 18h. No entanto, devido às mudanças e a necessidade de uma nova vistoria do Corpo de Bombeiros, a banda começou a tocar por volta das 20h, quando o local já estava cheio.

Leia também: Bloco Juventude Bronzeada cancela desfile em Belo Horizonte

A organizadora relatar que conseguiu autorização da BHTrans, Belotur e bombeiros para estender 30 minutos a apresentação que estava prevista para acabar às 22h. Porém o pedido não teria sido atendido pela PM (Polícia Militar).

— Eu subi no trio às 21h50 para avisar o bloco que precisaria encerrar no horário previsto e quando desci tinha uma barreira policial no entorno do carro. Quando faltava um minuto, um dos policiais disse que a festa tinha acabado.

Procurada pela reportagem, a PM alegou que o horário de encerramento foi mantido, já que o "atraso no encerramento pode ensejar deficiência na prestação de serviço dos vários órgãos envolvidos." A corporação destacou, ainda, que a ação não teve relação com manifestação política e que a medida foi para garantir a segurança da festa. Veja a íntegra da nota abaixo.

Carros de som

Um grupo formado por diversos blocos da cidade se mobiliza para tentar liberar o uso dos veículos que foram barrados. Laura Diniz, advogada que representa o grupo, informou ao R7 que ainda aguarda a análise de um outro pedido na Justiça.

Confira a programação completa para o Carnaval 2020 de BH

A CUT (Central Única dos Trabalhadores) e o SindUte-MG (Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais) prometeram emprestar seus trios elétricos para os 14 blocos que ainda podem ser prejudicados. Organizadores dos eventos se reúnem com representantes dos órgãos nesta manhã para tratar do assunto.

Leia a íntegra da nota da PM:

"A Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG) esclarece que o posicionamento dos policiais militares próximo ao final do horário de término de desfile do bloco A Roda, ocorrido na noite dessa quinta-feira (20.02) na Rua Sapucaí, no bairro Floresta, não teve relação com manifestação política.

A atuação dos militares foi para garantir a segurança do bloco para o desligamento do som no horário previsto, às 22h. Conforme relatado em matéria jornalística por uma das integrantes do bloco, havia a intenção de ultrapassar o horário permitido para o cortejo em virtude do atraso para início das atividades.

A Polícia Militar esclarece que os horários precisam ser respeitados já que todos os serviços públicos se planejam para cumpri-los. O atraso no encerramento pode ensejar deficiência na prestação de serviço dos vários órgãos envolvidos.

A PMMG esclarece ainda que as manifestações são legítimas e que só atuará em caso de desordem pública, de intolerância à multiplicidade, em casos de qualquer tipo de violência ou importunações."

Veja a lista de alguns dos blocos que podem ser afetados:

- Alô Abacaxi, 23/02

- Daquele Jeito, 24/02

- É o Amô , 29/02

- Garotas Solteiras, 24/02

- Haja, 25/02

- Juventude Bronzeada, 25/02

- Lavô, tá Novo, 25/02

- Magnólia, 25/02

- Pisa na Fulô, 25/02

- Roda de Timbau, 20/02

- Seu Vizinho, 24/02

- Tchanzinho Zona Norte, 22/02

- Truck do Desejo, 25/02

- Roda de Timbau