Casais provam que amor de carnaval pode ser duradouro

Histórias mostram que relacionamento nascidos nos bloquinhos podem render mais que glitter após a quarta-feira de cinzas

Amor de carnaval pode durar mais do que um feriado

Amor de carnaval pode durar mais do que um feriado

Pixabay

O carnaval é conhecido por ser a festa do amor, da alegria, da diversidade e da liberdade de expressão. Em tempos em que as relações parecem cada vez mais rasas e passageiras, muitos foliões aproveitam o feriado para conhecer pessoas novas que, na maioria das vezes, vão embora junto com o fim da festa. Mas todo amor de carnaval acaba na quarta-feira de cinzas? Confira algumas histórias que comprovam que esses romances podem ser mais duradouros do que a folia!

Herdeiro da folia
Grazi e Rafa se reencontraram no Carnaval após 12 anos de amizade

Grazi e Rafa se reencontraram no Carnaval após 12 anos de amizade

Arquivo Pessoal

Graziela Massonetto, de 29 anos, teve uma grande surpresa ao encontrar um amigo no carnaval de 2019 e passar a enxerga-lo com outros olhos. Depois de 12 anos apenas na amizade, os dois se reencontraram, despertaram para uma nova paixão e, em menos de um ano, fizeram com que o romance não só vingasse, como gerasse um fruto. Sim, o casal está esperando Elis: o resultado desse amor, que chega em junho deste ano.

“A gente já se conhecia há muito tempo, mas éramos apenas amigos. Até que ano passado, em 28 de fevereiro, pré-carnaval em São Paulo, saímos de uma reunião do coletivo de futebol que a gente faz parte e fomos curtir a noite. Já estava aquele super clima carnavalesco no ar e... rolou o primeiro beijo”, conta a jornalista.

“Ficamos com um pouco de receio, afinal, eram mais de dez anos de amizade e agora as coisas estavam indo por um caminho diferente! Não chamávamos de namoro ainda, mas fomos a diversos bloquinhos juntos durante a semana de Carnaval, mesmo sem ainda ‘oficializar’ o que tínhamos”.

Grazi conta que a relação começou a ficar mais séria quando o casal passou a segunda-feira de Carnaval em Salesópolis, cidade paulista próxima a Mogi das Cruzes, onde nasceu Rafael Oliveira, também de 29 anos.

O casal está esperando a primeira filha, Elis

O casal está esperando a primeira filha, Elis

Arquivo Pessoal

“Fomos em um desses bloquinhos de cidade pequena e a mãe do Rafa foi curtir com a gente e perguntou o que estava rolando. Aí não teve como esconder de mais ninguém”, diz. “Em pleno carnaval, após 12 anos, a gente se reencontrou! Desde então, estamos juntos. E em dezembro, descobrimos que vamos ser três”. Grazi e Rafa "estão grávidos" de 25 semanas, esperando Elis. O casal, que já pensava em ter filhos, mas não tão cedo assim, levou um susto. “Amamos crianças, mas não esperávamos a nossa tão rápido. Descobri a gravidez já com 3 meses. Estamos muito felizes e ansiosos pela chegada da nossa pequena. Uma história que (re) começou no Carnaval de 2019 e, em 2020, vai trazer um pacotinho de amor”.

Grazi e o professor de história Rafael chegaram a ficar noivos antes de saber da gravidez, mas preferiram adiar os trâmites do casamento para poderem se programar melhor, agora com a chegada de Elis.

“Esse é o nosso amor de Carnaval, que aconteceu após 12 anos, subiu a serra, venceu a quarta-feira de cinzas e ainda gerou um bebê”.

Café 12 anos
Airton e Maria Gontow se conheceram em um baile de Carnaval em 2008

Airton e Maria Gontow se conheceram em um baile de Carnaval em 2008

Arquivo Pessoal

Airton Gontow, que é idealizador e diretor de um site de relacionamentos para casais maduros, o Coroa Metade — que conta com mais de 500 mil inscritos e já promoveu mais de 80 casamentos —, conheceu Maria em um baile de Carnaval, em fevereiro de 2008.

“Foi no Avenida Club, em Pinheiros (SP), no 'Carnaval à Moda Antiga', que eu mesmo idealizei. Só com marchinhas e sambas-enredos”, lembra-se ele. “Eu estava trabalhando e por isso fiquei sentado em uma mesa no canto do salão, só observando a festa. Até que o então proprietário da casa, Telmo Carvalho, apareceu e perguntou-me por que eu não estava dançando. Quando respondi que era porque estava trabalhando, ele me disse para deixar de ser tolo. ‘Você está separado. O baile é um sucesso. Se ficar aqui sentado o tempo todo não aceitarei fazer o evento novamente no ano que vem’, ameaçou, brincando”.

O casal está junto há 12 anos

O casal está junto há 12 anos

Arquivo Pessoal

Foi então que Airton levantou da cadeira, foi até o salão e se encantou com uma bela moça, que estava acompanhada de outra mulher, a qual Airton deduziu ser sua irmã.

“Ela me olhou e pareceu cutucar a irmã, mostrando-me. Sem prática em paquerar, dei uma volta no salão para tomar coragem para chegar e conversar. Durante o percurso, supus, mas sem certeza, que os olhos dela procuravam os meus”. O flerte, ainda sem coragem de acontecer, demorou mais algumas voltas de Airton pelo salão.

“Depois de algumas voltas, voltei até a minha mesa e pedi a ajuda de um amigo que filmava o evento. Pedi a ele que fingisse me filmar para ter certeza se aquela bela moça estava mesmo olhando para mim”, conta. “Mas ela estava agora dançando com um homem alto, forte, bonitão, que a jogava para um lado e para o outro”.

Desiludido, Airton voltou para o canto do salão até tomar coragem de voltar a procurar pela moça. O encontro foi na saída, quase na calçada. "Eu disse ‘Não sei dançar, mas sou bom de papo. Tu aceitas tomar um café comigo?’”.

Maria aceitou. E da conversa por horas no café, saiu um novo encontro. E, desde então, não se desgrudaram mais. No último dia 5 de fevereiro, comemoraram 12 anos de união.

“Dizem que amor de carnaval não dura. Mas a verdade é que, desde que a conheci, meu coração se encontra em permanente estado de folia. Hoje, quando olho para trás, tenho orgulho do modo como cheguei para conversar com o amor da minha vida. Nós dois damos graças a Deus por aquele instante que mudou nossas vidas. Hoje vivemos uma relação de amor, cumplicidade e respeito”, conclui.

Hóspede interessante
Bia e Marcos: romance de carnaval rendeu casamento

Bia e Marcos: romance de carnaval rendeu casamento

Arquivo Pessoal

A atriz e bailarina Beatriz Freitas, de 32 anos, conheceu o atual marido, Marcos Ruiz, no carnaval de 2013.

“Eu nem ia viajar, mas acabei decidindo de última hora”, conta ela. “Fui para Votuporanga, Minas Gerais, e ia ficar na casa de um grupo de amigos que eu sempre fiquei. Mas, naquele ano, acabou não dando certo porque tinha um pessoal novo que já tinha ocupado todas as vagas. E, entre eles, estava o Marcos”.

Como, apesar de não ter ficado hospedada na casa, Bia era muito amiga da maioria que estava lá, os dois acabaram se encontrando e se conhecendo.

“Tinham umas 20 pessoas e, por isso, não nos comunicamos muito. Mas não nos grudamos logo de cara. Na verdade teve um único momento nessa viagem toda que nos encontramos sozinhos, em uma festa, no meio da multidão, trocamos uns olhares, dançamos juntos, mas logo cada um seguiu seu caminho”, diz Bia.

“Foi quando voltamos para São Paulo, no fim de semana seguinte, que aconteceu um churrasco da galera e ele estava lá. Foi aí que realmente conversamos, nos aproximamos e começou uma investida maior da parte dele. Mas eu estava relutante, desconfiada”, conta.

Casal curte carnaval junto até hoje

Casal curte carnaval junto até hoje

Arquivo Pessoal

Depois desse churrasco, o analista de marketing convidou a bailarina para um jantar. Até então, ainda não havia acontecido nada de fato entre os dois. “Nesse jantar, que tinha tudo para ser uma cilada, afinal eu nem o conhecia direito, tudo fluiu muito naturalmente e nós conversamos e nos conectamos demais. Mas, mesmo assim, eu fui para casa sem dar um beijo nele”.

Para a sorte do casal, Marcos não desistiu de conquistar o coração de Beatriz.
“Logo que cheguei em casa ele me mandou uma mensagem marcando um novo encontro. Foi só dessa vez que eu cedi, e, enfim, ficamos”.

Depois disso, os dois passaram a se encontrar todos os fins de semana e, em três meses, assumiram o relacionamento. Em 2017, Bia foi pedida em casamento, e a união dos dois foi oficialmente concretizada no dia 14 de dezembro de 2018.

Ponte aérea
Viviane Cataldi conheceu namorado Austríaco em bloco de Carnaval

Viviane Cataldi conheceu namorado Austríaco em bloco de Carnaval

Arquivo Pessoal

“Tive uma grande surpresa logo na abertura não oficial do Carnaval carioca”, conta a atriz e professora de yoga Viviane Cataldi. “Conheci um gringo no meio do bloco e já logo agreguei ele ao meu grupo. Passamos horas conversando e, quando nos demos conta, já estávamos juntos”. A história, que começou em 2020, está sendo escrita desde então, mesmo com um detalhe: ele mora na Áustria.

Vivi, que tem 31 anos, conta que nunca imaginou se apaixonar por alguém 18 anos mais velho, de um país tão distante e em pleno Carnaval.

“Ele só tinha mais duas semanas de férias no Brasil e vivemos um amor de verão, pré-carnaval. Viajamos juntos e vivemos intensamente nossa história, mas ele precisou ir embora”, conta.

Mas quem pensa que a história acabou por aí, engana-se. “O amor continuou e estamos nos relacionando mesmo à distância. Nos falamos diariamente e, dentro desses dois meses de Carnaval sem fim, ele voltou para ficar uma semana comigo, curtir meu aniversário e os blocos de rua que eu tanto amo”, diz. 

Hoje, o recente casal Viviane e Christof Paparella planeja mais um retorno do austríaco ao Brasil e uma viagem de férias juntos, que deve acontecer muito em breve.

“Sim, todo Carnaval tem seu fim, mas o amor que a gente constrói junto pode durar mais que apenas uma noite, ou um verão. Pode durar a vida inteira”, conclui.