Famosos e TV Ana Hickmann diz que está triste, mas 'não tem direito de chorar' em meio a divórcio

Ana Hickmann diz que está triste, mas 'não tem direito de chorar' em meio a divórcio

A apresentadora está se separando de Alexandre Correa e pediu uma medida protetiva contra ele após sofrer violência doméstica

  • Famosos e TV | Do R7

Ana Hickmann, em vídeos gravados hoje

Ana Hickmann, em vídeos gravados hoje

Reprodução/Instagram/@ahickmann

Ana Hickmann disse, neste domingo (10), que está triste, mas "não tem direito de parar para chorar" no atual momento de sua vida. A apresentadora está se divorciando de Alexandre Correa e pediu uma medida protetiva contra ele após sofrer violência doméstica. Ela abriu uma caixinha de perguntas para interagir com seus seguidores nas redes sociais e foi questionada sobre "como está o coração" em meio aos acontecimentos.

Ela foi sincera e gravou um vídeo para responder à pergunta. "Muito triste, eu diria até [que o coração está] totalmente partido. É muito difícil a gente enfrentar tantos problemas, desafios e uma avalanche de sentimentos e de coisas difíceis e manter a cabeça de pé, se manter erguida", começou ela.

"Mas, se eu não fizer isso, quem vai fazer pelo meu filho? Quem vai estar lá por ele? Nesse momento, apesar de toda a tristeza e de toda a dor, eu não tenho o direito de parar pra chorar. Tem outras coisas que eu preciso fazer e, principalmente, ficar bem. Quem é mãe vai me entender. A gente pode estar um caco por dentro, mas aqui fora, pros nossos filhos, a gente sempre vai estar bem e forte.", acrescentou.

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo Telegram
Assine a newsletter R7 em Ponto

Ao responder a outra pessoa, Ana destacou que, em um relacionamento abusivo, as mulheres sofrem vários tipos de violência. A Lei Maria da Penha descreve cinco tipos: física, psicológica, sexual, patrimonial e moral.

"O primeiro passo para demonstrar força é denunciar um relacionamento abusivo. E, quando a gente fala de abuso, não é apenas a parte física. A parte física é o ponto-final de tudo. Porque começa muito antes", destacou.

"Hoje, eu posso dizer que demorei muito para ter essa segurança e coragem, por inúmeros motivos que eu ainda quero contar para vocês, e acredito que muita gente vai se identificar", finalizou.

Para denunciar uma situação de violência doméstica, ligue 180. A Central de atendimento à Mulher funciona 24 horas em todo o país e também no exterior.

Últimas