Flavio Ricco “Câmera Record” exibe edição especial nos 80 anos de Roberto Carlos

“Câmera Record” exibe edição especial nos 80 anos de Roberto Carlos

Silvio Santos e Roberto Carlos nos bastidores da antiga TV Record

Silvio Santos e Roberto Carlos nos bastidores da antiga TV Record

Divulgação

O “Câmera Record”, neste domingo, às 23h15, será inteiramente dedicado a Roberto Carlos, que completa 80 anos na segunda-feira.

Neste especial, com apresentação de Luiz Fara Monteiro, são resgatadas imagens do artista, cenas raras do acervo da Record, que há anos não são mostradas ao público.

Todo um material, “selecionado com o máximo cuidado", para homenagear o cantor em seu aniversário.

São registros muito raros, entre os principais, do histórico “Jovem Guarda”, exibido nas tardes de domingo, direto do Teatro Record, na rua da Consolação, entre 1965 e 1968, e que parava todo o País.

Dentre as imagens selecionadas, tem também a sua festa de 25 anos, com plateia cheia, bolo gigante e a presença de grandes artistas e amigos, como Wanderléa e Erasmo Carlos.

A comemoração, digna de um Rei, hoje parece um sonho distante diante da realidade da pandemia. Mas, há 55 anos, essa "festa de arromba" aconteceu na frente das câmeras da Record.

O “Câmera Record” ainda traz entrevistas exclusivas com quem conviveu de perto com Roberto, como o músico Caçulinha e o diretor Nilton Travesso, além deste que vos escreve. 

"Ele é muito simples. Eu gostava de ficar perto dele. Era só risada, só piada!", conta Caçulinha, que participou da festa e relembrou os detalhes daquele dia em uma entrevista exclusiva ao programa.

Assim como de outros momentos, com o cantor ao lado de personalidades históricas da televisão e da música, como Wanderléa e Erasmo Carlos, Silvio Santos, Jô Soares e Manoel da Nóbrega.

O especial recupera uma entrevista histórica do Rei, concedida ao apresentador Silvio Santos em 1976. Roberto já se mostrava muito maduro diante dos comentários sobre o seu trabalho. "Quando eles são negativos, a gente analisa qual foi a intenção do comentarista, no caso. Quando ele é construtivo, a gente aproveita a crítica", declarou Roberto.

E mostra ainda trechos do "Quem Tem Medo da Verdade?", em 1970. Apresentado por Carlos Manga, funcionava como uma espécie de julgamento de artistas, colocando em questão as atitudes de cada um ao longo da carreira. Roberto, no banco dos réus, não se intimidou com pergunta alguma e foi defendido por um "advogado" muito especial: Silvio Santos.

O “Câmera” também revela a faceta humorística do cantor, ao participar de uma esquete ao lado de Jô Soares, Manoel da Nóbrega e Pagano Sobrinho. Foi em uma adaptação especial de "Os Três Porquinhos". O papel de Roberto Carlos? Ninguém menos do que o Lobo Mau.

ECAD

Um levantamento do ECAD (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição), sobre RC, revela que “É preciso saber viver" foi a sua canção mais tocada nos últimos cinco anos, enquanto a mais gravada por outros intérpretes até agora foi “Emoções”.

Já a música de Roberto Carlos que mais teve rendimentos no ano de 2020 foi “Como é grande o meu amor por você”. 

Roberto Carlos tem 676 músicas e 1.138 gravações cadastradas no Ecad.

Últimas