Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Flavio Ricco
Publicidade

Marcelo Tas "provoca" Casagrande em programa da TV Cultura

Flavio Ricco|Do R7 e Flavio Ricco

Casagrande será entrevistado por Marcelo Tas na próxima terça-feira
Casagrande será entrevistado por Marcelo Tas na próxima terça-feira Casagrande será entrevistado por Marcelo Tas na próxima terça-feira

O comentarista Walter Casagrande, envolvido em mais uma polêmica com o atacante Neymar, gravou o programa “Provoca”, comandado por Marcelo Tas, que a TV Cultura exibe na próxima terça-feira, a partir das 22h. 

Ele fala na edição sobre sua participação na Copa do Mundo de 1986, os jogadores atuais e o esquecimento de suas raízes, saída da Globo, sua relação com a mãe, a morte da irmã e a raiva de Deus, drogas, entre outros temas.

Ao relembrar a Copa do Mundo de 86, Casagrande fala: “O meu comportamento, eu me diverti, talvez eu não tenha encarado com tanta seriedade a Copa do Mundo ou talvez eu tenha pensado que eu poderia jogar bem de qualquer maneira, na hora eu resolvo (...) eu não consegui ver a Copa do Mundo com muita seriedade e isso eu me arrependo. Se eu voltasse em 86, eu não ia sair todas as vezes, eu ia me segurar um pouco”.

Comentando a realidade de hoje, diferente dos anos 1970, em que os jogadores encaravam a ditadura, Casagrande afirma que atualmente a alienação é comodidade. Em sua opinião, a Seleção Brasileira não tem mais identificação com a torcida. “O Brasil hoje está em uma crise, muitas famílias não têm café da manhã, almoço e janta, desemprego altíssimo e os ídolos desses caras postam iate, lancha, mansão, carros importados e festas maravilhosas (...) o que eles tinham que fazer, além de ostentar, é se posicionar socialmente. Essas pessoas têm que sentir que aquele jogador que vai jogar a Copa do Mundo pela Seleção Brasileira tá preocupado com ele”.

Casagrande também fala, com carinho e saudosismo, sobre a relação com sua mãe. O ex-jogador conta de um episódio que considera o mais triste, em que sua mãe o convidou para comer uma pizza e ele não aceitou. “Eu estava na casa dela e tinha usado cocaína e eu falei: ‘pô, mãe, amanhã eu venho aqui a gente come a pizza. Hoje não dá, tenho um compromisso’. E eu não comprei a pizza, eu nunca mais comi a pizza com ela, ela faleceu depois. Então eu olho pra trás e falo: ‘porra, porque eu que não pedi a pizza?’. E completa: Olha como a droga é cabulosa, bicho, eu escolhi a droga naquele momento ao invés da pizza com a minha mãe. (...) Naquele momento, o valor mais alto pra mim era a cocaína, não era a minha mãe e nem a pizza”.

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.