Cirque du Soleil demite 95% da equipe: "Dia mais difícil da história!"

Maior companhia de circo do mundo encerrou as suas atividades em mais de 44 produções pelo mundo até a pandemia acabar

O circo mais famoso do mundo fechou

O circo mais famoso do mundo fechou

Manuela Scarpa e Marcos Ribas/Brazil News

O Cirque du Soleil, maior companhia de circo contemporâneo do mundo, demitiu praticamente todos os seus funcionários após a pandemia de coronavírus.

Sem nenhuma previsão para retomar os espetáculos, a empresa está promovendo um corte de 95% de seus funcionários. A demissão atinge mais de 4.000 pessoas diretamente, entre artistas, acrobatas, bailarinos, palhaços e equipe técnica. 

Na segunda-feira, 16,  a equipe suspendeu temporariamente todos os seus shows em Las Vegas e Califórnia. Agora, encerrou todas as 44 produções em todo o mundo. A medida reflete os negócios do setor de lazer, que tiveram que interromper os eventos e show, já que os governos emitem restrições às reuniões públicas e aglomerações por medida de segurança.

"Essa foi uma decisão incrivelmente difícil para o grupo, mas uma medida necessária para estabilizar a empresa no futuro", diz o comunicado do Cirque du Soleil. "A empresa não teve outra opção senão pedir uma interrupção sem precedentes da atividade até que a pandemia seja controlada".

A companhia de circo disse que agora está trabalhando com todos os seus parceiros, para apoiar seus funcionários, pagando férias e mantendo cobertura de seguro saúde e outros benefícios.

“É o dia mais difícil da história do Cirque du Soleil Entertainment Group. Estamos profundamente tristes com as medidas dramáticas adotadas, pois a demissão inclui muitas pessoas dedicadas e trabalhadoras. Infelizmente, essa decisão é a nossa única opção, pois somos forçados a nos posicionar para enfrentar esta tempestade e nos preparar para eventuais reabrições ”, disse Daniel Lamarre, presidente e CEO do Cirque du Soleil Entertainment Group.