"Eu e a Supremacia Branca" chega ao Brasil

Livro de Layla F. Saad convida leitores a reconhecer privilégios, combater o racismo e mudar o mundo

Privilégio branco, estereótipos raciais e apropriação cultural são alguns dos temas abordados pela autora

Privilégio branco, estereótipos raciais e apropriação cultural são alguns dos temas abordados pela autora

Divulgação

Baseado em um desafio no Instagram que conquistou a atenção de pessoas ao redor do mundo, “Eu e a Supremacia Branca”, da ativista Layla F. Saad, conduz os leitores por uma jornada de 28 dias, com sugestões de exercícios e dicas para entender o racismo e confrontar seus preconceitos.  O livro é best-seller do New York Times, USA Today, Amazon e Sunday Times.

Revisto e atualizado após o desafio online, o trabalho antirracista proposto pela autora é aprofundado com contextos históricos e culturais, emocionantes histórias pessoais, definições expandidas, exemplos e referências para examinar de perto as próprias crenças e preconceitos e fazer o trabalho necessário para mudar o mundo. Privilégio branco, estereótipos raciais e apropriação cultural são alguns dos temas abordados pela autora.

“A supremacia branca é uma ideologia racista que se baseia na crença de que os brancos são superiores em muitos aspectos às pessoas de outras raças e que, portanto, os brancos devem ser dominantes sobre outras raças. A supremacia branca não é apenas uma atitude ou maneira de pensar. Também se estende à forma como as instituições e os sistemas são estruturados para sustentar esse domínio branco. Para os propósitos deste livro, vamos apenas explorar e destrinchar as expressões da supremacia branca no nível pessoal e individual”, escreveu Layla.

"Eu e a Supremacia Branca"
Tradução de Petê Rissatti
240 páginas
R$ 49,90 (impresso)
R$ 29,90 (e-book)
Editora Rocco