Fabrício Carpinejar compartilha em livro reflexões inspiradoras 

Um dos escritores contemporâneos mais reconhecidos do país empresta sua perspectiva da transformação emocional para estimular a gentileza

Livro traz alívio para os dias de isolamento

Livro traz alívio para os dias de isolamento

Divulgação

“Nunca as varandas foram tão frequentadas. Com o resguardo diante da pandemia, elas se tornaram uma espécie de calçada da família.” É discorrendo sobre a posição de protagonismo que as sacadas e as janelas alcançaram em tempos de distanciamento social causado pela pandemia do novo coronavírus que Fabrício Carpinejar apresenta seu livro "Colo, por favor!".

Ao mesmo tempo em que exercem função de observatório, elas passam a ser palco das mais diversas atividades de seus moradores, seja abrir uma cadeira de praia e descansar, fazer uma sessão de terapia por videoconferência ou tocar um instrumento musical.  “Este livro é a minha sacada dos primeiros meses de isolamento, o meu ângulo da transformação radical de nossas vidas, com contato social restrito ao mínimo e uma angústia extrema do porvir”, escreve Carpinejar.

Escrita no epicentro da crise da Covid-19, a obra traz 40 aforismos criados pelo escritor e poeta seguidos de ensaios biográficos que surgiram de suas observações e busca por sentido em meio ao caos.

"Colo, por favor!" trata da pandemia sob o ângulo dos impactos emocionais causados pela reclusão, por meio de textos sensíveis que abordam temas como solidão, relacionamentos, medo, esperança e afeto de maneira a trazer aconchego ao leitor.

Na obra, Carpinejar faz homenagens aos profissionais da saúde, que neste contexto de pandemia arriscam suas próprias vidas enquanto se dedicam a salvar outras, e às pessoas que dão espaço para a gentileza no dia a dia, além de fazer uma declaração de amor à sua tia Cléa, que quase perdeu a vida por conta do coronavírus: “Faltava isso: a reverência dentro do lar, a admiração dentro do sobrenome. Não falta mais. Tivemos que passar pela pandemia para um sobrinho adulto descobrir tardiamente o seu amor pela sua tia. Nunca é tarde para ser sensível”, escreve. A obra abre espaço também para temas como machismo e o combate à angústia na juventude.

“Colo, abrigo, refúgio, e tantos outros ninhos protetivos (que ele chama de quarenta ‘razões poéticas’) é o que Carpinejar partilha para, juntos, nos reconfortarmos (ganharmos força!) e nos enveredarmos no ainda viável aconchego da Vida!”, escreve Mario Sergio Cortella na orelha do livro.

Dos livros vendidos pelo e-commerce da Livraria da Vila, 10% da arrecadação será destinada ao Hospital das Clínicas de São Paulo.

"Colo, por favor!"
176 páginas
R$ 39,90
R$ 24,90
Editora Planeta