Livro-reportagem retrata a morte de Marielle Franco 

Ela e o motorista Anderson Gomes morreram depois de emboscada no bairro do Estácio

Livro imperdível e leitura obrigatória

Livro imperdível e leitura obrigatória

Divulgação

Quinta vereadora mais votada do município do Rio de Janeiro nas eleições de 2016, Marielle Franco foi executada à queima-roupa na noite de 14 de março de 2018, quando voltava de um debate na Casa das Pretas, espaço coletivo de mulheres negras que fica no centro da cidade. Ela e o motorista Anderson Gomes morreram depois da emboscada no bairro do Estácio, no momento em que a vereadora e ativista, engajada na luta antirracista, nas causas feministas e da comunidade LGBTQIA+, estava a caminho de casa.

O duplo homicídio virou notícia no mundo inteiro, mobilizou a opinião pública, que passou a cobrar das autoridades a resposta para as duas perguntas essenciais: quem mandou matar Marielle e Anderson?

Jornalistas dedicados ao caso desde o início, Chico Otavio e Vera Araújo mostram no livro-reportagem “Mataram Marielle” como o duplo homicídio foi determinando para revelar os meandros do submundo da criminalidade carioca. Chico e Vera esmiuçaram uma rede complexa que envolve a atuação de traficantes, milicianos, torturadores egressos dos porões da ditadura, bicheiros e policiais altamente treinados, contratados como assassinos de aluguel.

Em sua imersão, os jornalistas construíram uma linha do tempo que ajuda a conectar todos os acontecimentos, descobertas e progressos ocorridos desde 2018, abrindo uma verdadeira caixa-preta sobre o modus operandi da criminalidade carioca.  Além disso, os autores compartilham suas experiências na cobertura do caso, oferecendo uma versão inédita dos bastidores das apurações, pesquisas e entrevistas feitas nos últimos dois anos e meio.

“Mataram Marielle”
224 páginas
R$ 49,90 (impresso)
R$ 24,90 (e-book)
Editora Intrínseca

Últimas