Odair Braz Jr Caetano deixa disco novo e hits de lado para fazer show histórico ao lado de Jards Macalé

Caetano deixa disco novo e hits de lado para fazer show histórico ao lado de Jards Macalé

O cantor baiano celebrou os 50 anos do álbum 'Transa', um dos melhores trabalhos de sua carreira

  • Odair Braz Jr | Do R7

Caetano Veloso no início de sua apresentação em São Paulo, neste sábado (25)

Caetano Veloso no início de sua apresentação em São Paulo, neste sábado (25)

Andy Santana/Brazil News - 25.11.2023

Um show raro, belíssimo e necessário foi o que os milhares de fãs de Caetano Veloso viram na noite deste sábado (25), em São Paulo. O cantor baiano deixou de lado a turnê de seu último álbum, Meu Coco, e fez uma apresentação apoteótica quase toda focada em Transa, seu disco cinquentão lançado em 1972.

Caetano abriu o show no Espaço Unimed, na zona oeste da capital paulista, com You Don’t Know Me, a primeira música do álbum. Ela foi acompanhada de ponta a ponta pelo público, que sabia de cor a letra em inglês. Quando terminou de tocar a canção, o baiano foi ovacionado, numa recepção extremamente calorosa.

Caetano agradeceu e aproveitou o momento para explicar o show especial: “Fiz Transa porque estava exilado do meu país e fui para a Inglaterra. Esse disco me causou uma certa dor ao longo dos anos, mas os brasileiros, em gerações sucessivas, demonstraram amar esse disco, o que me consola”.

Transa é um grande disco, um dos melhores do cantor, com composições totalmente em inglês, outras em inglês e português e algumas apenas em português. Tem uma importância gigantesca na história do baiano e também da MPB. É, sem dúvida, um trabalho de resistência à ditadura militar, embora não tão explícito, com muita coisa disfarçada nas entrelinhas. E é por isso tudo que merece ser celebrado.

Caetano fez questão de homenagear o álbum de uma maneira ampla e entoou canções pré e pós-Transa, dando aos fãs um tipo de linha cronológica ao vivo desse seu trabalho. E, assim, o músico anunciou a segunda canção da noite, que não está no disco: “Antes de ser exilado com Gil, fui encarcerado e depois exilado. Compus esta canção dentro da cela, e fala da minha irmã, que está aqui hoje”. E manda ver em Irene — de novo com o acompanhamento dos fãs que lotavam a casa de show. Em seguida, homenageou a irmã famosa com a música Maria Bethânia. Finalizou a canção com um trecho do clássico Asa Branca, de Luiz Gonzaga.

Caetano cantou todas as músicas do álbum 'Transa'

Caetano cantou todas as músicas do álbum 'Transa'

Andy Santana/Brazil News - 25.11.2023

London, London, também composta na Inglaterra e que não está em Transa, não poderia faltar no show. É, provavelmente, a canção de Caetano mais marcante do período em que esteve exilado.

O músico volta a falar com o público: “Cantei algumas canções pré-Transa que são ligadas ao Transa. Agora eu quero voltar para antes do pré-Transa”. Foi a vez de The Empty Boat, de 1969. Depois, uma pós-Transa, com Araçá Azul numa bela versão, só com guitarra e teclado.

Com Triste Bahia, Caetano retoma as músicas do álbum. Chega a vez de Neolithic Man e, a seguir, da adorada It’s a Long Way, aquela que tem uma citação aos Beatles.

Tudo muito bom, tudo muito bem, Caetano apresenta sua banda, que é a mesma da turnê Meu Coco, e aí a gente descobre que há ainda grandes surpresas pela frente. É quando o baiano chama ao palco os músicos que gravaram com ele o homenageado álbum. Surgem Jards Macalé (compositor e guitarrista), Tutty Moreno (baterista) e o percussionista Aureo de Souza. Loucura total, como você pode imaginar.

Com os velhos companheiros no palco  — junto de sua banda —, Caetano canta de novo You Don’t Know Me. Então, o baiano se senta no suporte da bateria e abre espaço para Macalé apresentar Mal Secreto e Sem Samba Não Dá. Juntos, os dois cantam um trechinho de Corcovado, de Tom Jobim. Ficou bonito.

Jards Macalé com seu violão no palco e Caetano sentado ao fundo

Jards Macalé com seu violão no palco e Caetano sentado ao fundo

Odair Braz Junior/R7 - 25.11.2023

Caetano volta à frente do palco para Mora na Filosofia e Nine Out of Ten, tudo com as duas bandas e com Jards mandando muito bem na guitarra.

E vem outra surpresa da noite: Caetano chama Angela Ro Ro, que canta Escândalo (do baiano), Compasso e Amor, Meu Grande Amor. O músico explica a presença de Angela: “Ela tocou gaita em Transa”.

Todos juntos — banda antiga e atual mais Ro Ro — tocam a faixa de Transa que estava faltando: Nostalgia (That's What Rock'n’Roll Is All About).

Rola um bis apoteótico, claro, com mais uma vez Caetano cantando Nine Out of Ten, momento que coroou um show para lá de histórico e que já pode ser considerado como um dos pontos altos da carreira recente do músico baiano. Isso aos 81 anos, veja. É para bem poucos.

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas