Em dez anos, Neymar vai do ‘não sou preto’ à luta contra o racismo

Jogador brasileiro alega ter sido chamado de 'macaco' por atleta de equipe francesa durante partida de futebol

Neymar diz ser alvo de racismo do jogador Alvaro

Neymar diz ser alvo de racismo do jogador Alvaro

Julien de Rosa/EFE

Vamos combinar que muita gente não nutre admiração ou simpatia por Neymar. E não sem motivos, veja bem. Neste espaço mesmo ele já foi alvo de críticas por diversos tipos de comportamento e ações tortuosas que tomou ao longo de sua carreira.

E essa falta de simpatia pelo jogador do PSG tem gerado alguns comentários e posturas estranhas de pessoas nas redes sociais. Tem muita gente recriminando Neymar, apontando o dedo e dizendo “aí, tá vendo? Agora aprenda o que é racismo”.

Essas reclamações e acusações contra Neymar podem até ter nascido a partir dele mesmo. Por exemplo, numa entrevista ao Estado de S. Paulo em 2010, ou seja, quando tinha 18 anos, perguntaram a Neymar se ele já havia sofrido algum tipo de racismo. A resposta: “Nunca. Nem dentro e nem fora de campo. Até porque não sou preto, né?”. Além disso, o jogador nunca se posicionou muito a respeito de questões raciais, como faz o piloto Lewis Hamilton, por exemplo.

Sim, é complicado, mas é o seguinte: lá se foram dez anos desde aquela entrevista. Neymar, de uns tempos para cá tem se mostrado diferente, vem passando por um processo de amadurecimento. Seu comportamento é outro hoje em dia.

Mesmo que essa, digamos, transformação, não estivesse acontecendo, Neymar é a vítima aqui. Ele diz que o jogador do Olympique de Marselha, no jogo deste domingo (13), o chamou de “macaco”. Quer dizer, é racismo descarado e sem perdão. Tem mesmo que ser denunciado e o agressor deve ser punido pela federação francesa e pelas autoridades locais, caso seja mesmo verdade o que disse.

Então, não é nem um pouco justo apontar dedos para Neymar e criticá-lo por posturas passadas. O que estamos vendo é uma tomada de consciência do jogador brasileiro, o que é importantíssimo. E essa sua transformação não vem apenas sobre racismo, tem se mostrado também na vida profissional e até pessoal. Tanto é que pararam de chamá-lo de “menino Ney” e agora o apelido do momento é “adulto Ney”. Pode haver exagero e umas piadinhas aqui, mas o fato é que dá a impressão de que o jogador virou algum tipo de chave já há algum tempo.

E isso é bom. É ótimo. Gente com tanta visibilidade como Neymar tem mesmo de se posicionar em diversos assuntos e o tema racial é um dos mais importantes. Hamilton, amigão do craque brasileiro, sabe bem disso.