Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Morte de Taylor Hawkins, baterista do Foo Fighters, é nova tragédia na carreira de Dave Grohl

Vocalista da banda já teve de enfrentar a morte de Kurt Cobain, vocalista do Nirvana, nos anos 90

Odair Braz Jr|Do R7

Dave Grohl e Taylor Hawkins em foto de fevereiro de 2022
Dave Grohl e Taylor Hawkins em foto de fevereiro de 2022 Dave Grohl e Taylor Hawkins em foto de fevereiro de 2022

O mundo da música foi pego de surpresa, na noite desta sexta (25), com o anúncio da morte de Taylor Hawkins, baterista do Foo Fighters, banda que se apresentaria neste domingo (27) em São Paulo. Claro que o show foi cancelado.

Taylor, ao lado de Grohl, era a alma e o coração do grupo. Um baterista sensacional, daqueles que dá gosto de ver tocando ao vivo porque era sempre muito energético, tinha muita vontade e não deixava nunca o ritmo cair. Era uma máquina azeitada que não economizava nunca na pancadaria. Não tinha como não gostar dele.

Nos shows do Foo Fighters, Hawkins sempre foi uma atração à parte. Além de tocar muito, em todas as apresentações, ele deixava a bateria de lado — que era assumida por Grohl — e cantava para o público. Era sempre um dos momentos mais esperados, e ele mandava muito bem, causando catarse quando detonava ao cantar “Under Pressure”, hit do Queen com David Bowie.

Nesta turnê, Taylor estava cantando outra música, “Somebody to Love”, também do Queen. Foi assim nas últimas apresentações da banda no México, Chile e Argentina. Seria assim em Bogotá, na Colômbia, onde foi encontrado morto no quarto de hotel horas antes do show que ocorreria na cidade. E seria assim também no Brasil, onde o Foo Fighters encerraria o Lollapalooza, neste domingo.

Publicidade

A morte do baterista — ainda sem causa divulgada — é uma nova tragédia na vida do vocalista, guitarrista e líder do Foo Fighters Dave Grohl. Caso você não saiba, Dave era o baterista do Nirvana e muito próximo a Kurt Cobain, que se matou em 1994. Foi um acontecimento extremamente devastador no mundo da música e totalmente inesperado, assim como acontece agora com a morte de Taylor.

O Nirvana, com Dave Grohl (à esquerda), Kurt Cobain (centro) e Krist Novoselic
O Nirvana, com Dave Grohl (à esquerda), Kurt Cobain (centro) e Krist Novoselic O Nirvana, com Dave Grohl (à esquerda), Kurt Cobain (centro) e Krist Novoselic

Em 94, o Nirvana era a banda de maior sucesso e de maior relevância. Kurt, Grohl e o baixista Krist Novoselic mudaram a cara do rock nos anos 90 e se tornaram um grupo realmente emblemático. E, embora Kurt desse sinais de autodestruição, ninguém imaginava que pudesse se matar. Foi um choque tremendo. Causou repercussão mundial. Dave, além de companheiro de banda, era amigo do vocalista. Você pode imaginar como foi difícil se recuperar dessa primeira tragédia, certo?

Publicidade

Assim como foi o Nirvana, o Foo Fighters é hoje, possivelmente, a principal banda de rock do mundo. Tem seus detratores, não tem a mesma relevância do antigo grupo com Cobain, mas não há como negar que tem uma importância gigantesca no mundo roqueiro, enchendo estádios até hoje e lançando álbuns que sempre chamam a atenção. No momento, há um longa-metragem protagonizado pela banda em exibição nos cinemas. Que outro grupo tem isso? Nenhum.

Grohl criou o Foo Fighters em 1994, o mesmo ano da morte de Kurt. Ele já disse em entrevistas no passado que montou a nova banda para conseguir ir adiante, como uma maneira de tentar superar a perda do amigo e de continuar se mexendo. Também contou que não há maneira fácil de passar por um momento trágico como o do suicídio de Kurt e que não há nenhum tipo de manual que ensine como fazer isso.

Publicidade

Pois bem, agora Dave assiste à outra morte trágica de um companheiro de banda. Taylor, o segundo baterista do Foo Fighters, entrou no grupo em 1997 em substituição a William Goldsmith, que não estava agradando a Grohl. Hawkins, que até então era baterista da cantora Alanis Morissette, foi um encaixe perfeito no Foo Fighters e se tornou uma referência dentro do grupo. Ajudava a dar cara à banda. E, é óbvio, virou um grande amigo de Grohl.

A morte inesperada de Taylor, que tinha 50 anos, chega cheia de semelhanças com o caso de Kurt Cobain. A maior delas é que, infelizmente, Dave Grohl está dentro dessas histórias. A partida do baterista obriga Grohl a reviver uma vez mais um momento pavoroso em sua vida e em sua banda. Certamente, Dave, sendo o cara legal que é, não merecia isso. Nem ele, nem ninguém. A coisa é tão grave que não dá nem mesmo para afirmar que o Foo Fighters continuará existindo como grupo. Porque Hawkins não era apenas mais um baterista. Ele era “o” baterista. Sempre foi peça fundamental no som e nos shows da banda e é um daqueles integrantes insubstituíveis.

Só dá para desejar muita força para Dave Grohl, seus colegas de banda e a família do baterista. Taylor era demais!

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.