'Gênesis' terá cenas com tratamento de cinema

Edgard Miranda, diretor da nova superprodução da Record TV, afirmou que 'o resultado é algo que nunca foi visto antes'

  • Famosos e TV | Do R7

Diretor em gravação com atores

Diretor em gravação com atores

Reprodução/Instagram

Gênesis, nova superprodução da Record TV que estreia dia 19 de janeiro, promete surpreender os espectadores pela qualidade das cenas, que têm recebido tratamento de cinema no processo de finalização.

Em conversa com o R7, o diretor da novela, Edgard Miranda, explicou que apesar de ser uma trama bíblica, o estilo cinematográfico é fundamental. 

"Na verdade, toda a minha influência é muito mais voltada para o cinema do que a televisão. A minha pegada sempre foi cinematográfica, uma pegada muito maior de série. E não tem como colocar linguagem de telenovela ali, ficaria estranho, porque o tempo da teledramaturgia tradicional é outro. A gente tem um tempo bíblico, era outra luz na época, hábitos, costumes, todo ambiente, maneira de marcação dos atores, misancene (encenação/posicionamento de cena)... É uma outra linguagem, completamente diferente. Desde O Rico e Lázaro, primeira novela bíblica, passando por Jesus e agora em Gênesis, a linguagem sempre foi cinematográfica", declarou.

"Acho que as pessoas estejam se referindo mais a isso, hoje em dia, porque temos eventos com uma grandiosidade e magnitude absurda, como a Arca de Noé, a sequência de dilúvio, a entrada dos animais na Arca, a Torre de Babel... Então, nosso referencial, realmente, é cinematográfico. Todo mundo, os diretores, consomem filme e série. O espectador vai ver uma linguagem muito mais de série quando assiste aos nossos produtos bíblicos", completou. 

Além disso, Edgard adiantou que as cenas que exibirão os "grandes eventos" da história, além da produção de cinema, vão ganhar efeitos de computação gráfica. 

Novela terá cenas cinematográficas

Novela terá cenas cinematográficas

Reprodução/Instagram

"Os primeiros 11 capítulos, que têm eventos mais grandiosos, Torre de Babel, Éden, Dilúvio, você precisa usar mais computação gráfica, mas nem por isso a linguagem deixou de ser cinematográfica. Acredito muito na força da imagem."

Por fim, o diretor falou sobre o processo de criação e disse que o público vai acompanhar algo "diferente de tudo o que já viu": "A gente tentou ver tudo que já tinha sido feito anteriormente em relação a Gênesis. A gente esta em 2020, tem condições de fazer melhor e, com certeza, o resultado que o público vai ver no ar é algo que nunca foi visto antes".

Últimas