Música Marília Mendonça: tudo o que já se sabe sobre a morte da cantora

Marília Mendonça: tudo o que já se sabe sobre a morte da cantora

Avião que transportava a artista sertaneja caiu na zona rural de Piedade de Caratinga, a cerca de 300 km de Belo Horizonte

  • Música | Do R7

Resumindo a Notícia
  • Cantora Marília Mendonça morreu após queda de avião na serra de Caratinga, em MG

  • Cemig confirmou que o avião atingiu um cabo de torre de distribuição de energia elétrica

  • Anac autuou pelo menos três vezes a empresa PEC Táxi Aéreo por carga horária excessiva

A morte de Marília Mendonça pegou a todos de surpresa e provocou uma onda de comoção em todo o Brasil. A cantora, que nos últimos anos se transformou no maior fenômeno do sertanejo e colocou as mulheres como protagonistas do gênero musical, morreu aos 26 anos, na sexta-feira (5), após a queda do avião em que estava, na serra de Caratinga, em Minas Gerais.

A princípio, a assessoria da artista chegou a afirmar que ela havia sido resgatada e encaminhada a um hospital para a realização de exames. Horas depois, no entanto, a informação acabou não se confirmando. Por meio de comunicado oficial, a equipe da artista lamentou a partida precoce da eterna rainha da sofrência. 

"Com imenso pesar, nós confirmamos a morte da cantora Marília Mendonça, de seu produtor Henrique Ribeiro, de seu tio e assessor Abicieli Silveira Dias Filho, do piloto e do copiloto do avião, dos quais iremos preservar os nomes neste momento", informou em nota.

O acidente

Aeronave caiu em um local de difícil acesso, na zona rural de Piedade de Caratinga

Aeronave caiu em um local de difícil acesso, na zona rural de Piedade de Caratinga

Reprodução/Montagem R7

O avião que levava Marília e mais quatro pessoas decolou de Goiânia com destino a Caratinga, em Minas Gerais, onde ela faria uma apresentação na noite de ontem, e caiu em um local de difícil acesso, na zona rural de Piedade de Caratinga, a cerca de 300 km de Belo Horizonte e a apenas 2 km do aeroporto de Ubaporanga, onde deveria pousar.

O Corpo de Bombeiros foi acionado para atender à ocorrência e constatou, no local, que todas as cinco pessoas haviam morrido. Os militares precisaram abrir a fuselagem para retirar as vítimas, que estavam presas às ferragens. Os corpos foram levados ao IML (Instituto Médico-Legal) do município de Caratinga.

O avião de matrícula PTONJ estava em situação regular e liberado para fazer táxi aéreo, segundo a Anac. A aeronave, do modelo C90A BEECH AIRCRAFT, foi fabricada em 1984 e tem capacidade para transportar até seis pessoas.

Veja quem são as vítimas:

Marília Mendonça: a cantora, de 26 anos, seguia para dar um show em Caratinga. Deixa um filho;

Henrique Ribeiro: produtor de Marília Mendonça;

Abicieli Silveira Dias Filho: tio e assessor da cantora;

Piloto do avião: Geraldo Martins de Medeiros;

Copiloto: Tarciso Pessoa Viana.

Torres de alta-tensão

De acordo com relatório obtido pela reportagem do R7, o sistema de informações aeronáuticas do local de destino apontava a existência de torres de alta-tensão em montagem, oferecendo risco à aproximação.

Queda de avião matou a cantora Marília Mendonça, uma das maiores estrelas da música
Queda de avião matou a cantora Marília Mendonça, uma das maiores estrelas da música Arte R7

O relatório, chamado Infotemp, afirmava que as torres que estavam sendo instaladas violavam o plano básico de zona de proteção do aeroporto de Ubaporanga. O relatório que aponta essa irregularidade foi divulgado pelo sistema nos dias 3 de julho e 13 de setembro.

Horas depois, a Cemig (Companhia Energética de Minas Gerais) confirmou que o avião atingiu um cabo de torre de distribuição de energia elétrica. "A Cemig informa que o avião bimotor que transportava a cantora Marília Mendonça e outras quatro pessoas atingiu um cabo de uma torre de distribuição da companhia no município de Caratinga", afirmou, em nota, a assessoria de imprensa da empresa.

Empresa do avião foi autuada por jornada excessiva

Queda de avião matou cantora Marília Mendonça, em Minas Gerais

Queda de avião matou cantora Marília Mendonça, em Minas Gerais

Reprodução

A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) autuou pelo menos três vezes a empresa PEC Táxi Aéreo, proprietária do avião que levava a cantora sertaneja, por carga horária excessiva da tripulação. Segundo uma das ocorrências, foi constatado que os funcionários trabalharam por até 18 horas seguidas.

A autuação ocorreu em janeiro deste ano e, na ocasião da fiscalização, ficou constatado que os aeronautas, categoria que envolve pilotos e copilotos, extrapolaram a jornada de trabalho em sete horas e 17 minutos.

Veja mais: Aeroporto de Caratinga é cercado de obstáculos às aeronaves

O caso também chegou à Procuradoria da República em Goiás, que apontou outras falhas, como problemas nos para-brisas do avião. A aeronave que transportava a cantora e a equipe caiu em Caratinga, em Minas Gerais. Antes do impacto, atingiu e rompeu cabos de alta-tensão nas proximidades da pista de pousos e decolagens. 

Últimas