Um dos pais do rock, Little Richard morre aos 87 anos

O filho do músico, Danny Penniman, confirmou a morte à revista Rolling Stone, mas disse que a causa da morte era desconhecida

Little Richard foi uma lenda do rock

Little Richard foi uma lenda do rock

Rolling Stones

Um dos principais nomes do rock mundial, Little Richard morreu neste sábado (9), aos 87 anos. O filho do músico, Danny Penniman, confirmou a morte do músico para a revista Rolling Stone, mas disse que a causa era desconhecida.

Cantor e pianista, Richard foi responsável por sucessos como "Tutti Frutti", "Good Golly Miss Molly" e "Long Tall Sally", músicas que definiram o modelo seguido por uma geração de músicos. Gritos fervorosos, roupas extravagantes e personalidade alegre determinaram o gênero que deu vida a uma nova forma de arte.  "Ouvi Little Richard e Jerry Lee Lewis, e foi isso", disse Elton John, em 1973. "Eu nunca quis ser outra coisa. Eu sou do estilo mais do Little Richard do que Jerry Lee Lewis, eu acho. Jerry Lee é um pianista muito intrincado e muito habilidoso, mas Little Richard é mais um baterista”, declarou Elton John em entrevista.

Mesmo que não tenha mais estados nas listas de top 10 novamente depois de 1958, a influência de Little Richard foi enorme. Os Beatles gravaram várias de suas músicas, incluindo "Long Tall Sally", e Paul McCartney cantando nessas faixas - e os próprios Beatles - prestaram homenagem ao estilo de Little Richard. Suas músicas se tornaram parte do história do rock and roll.

A persona de palco de Little Richard - com maquiagem andrógina e camisas de paetê - também estabeleceu o padrão para a exibição de rock and roll; Prince, por exemplo, só foi o que foi pois Little Richard veio antes dele, abrindo o caminho.

Nascido Richard Wayne Penniman em 5 de dezembro de 1932, em Macon, na Geórgia, ele era um de 12 filhos e cresceu ao lado de tios que eram pregadores. “Nasci nos becos. Meu pai vendeu uísque, uísque pirata ”, disse Richard à Rolling Stone em 1970. Embora ele tenha cantado em uma igreja, seu pai Bud não apoiava a música que seu filho começou a fazer.

Depois de se apresentar no Tick Tock Club, em Macon, e ganhar um show de talentos local, Penniman fez seu primeiro contrato com a RCA em 1951. Ele se tornou "Little Richard" quando tinha cerca de 15 anos, quando o mundo do R&B e blues eram cheio de artistas como Little Esther e Little Milton; ele também estava cansado de as pessoas pronunciarem incorretamente seu sobrenome como "Penny-man". Ele aprendeu seu estilo único de piano com Esquerita, uma cantora e pianista da Carolina do Sul.

Nos cinco anos seguintes, a carreira de Little Richard avançou apenas de maneira simples. Os singles convencionais que ele gravou para a RCA e outras gravadoras não foram lançados com vigor. “Quando eu cheguei, nunca tinha ouvido nenhum rock'n'roll”, ele disse à Rolling Stone em 1990. “Quando comecei a cantar [rock'n'roll], cantei muito antes de apresentá-lo ao público porque estava com medo de que não gostassem. Nunca ouvi ninguém fazer isso e fiquei com medo."

Em 1956, ele estava trabalhando como lavador de  pratos, um trabalho que ele havia assumido alguns anos antes, depois que seu pai foi assassinado e Little Richard teve que sustentar sua família, e até então apenas uma faixa que ele havia gravado, "Little Richard's Boogie", sugeria o tornado musical por vir. "Eu coloquei essa coisinha", ele disse à Rolling Stone em 1970 sobre a maneira como mexeu com suas raízes evangélicas. "Eu sempre tive isso, mas não sabia o que fazer com o que tinha".

Nessa época, ele enviou uma fita com uma versão grosseira de uma nova música chamada “Tutti Frutti” para a Specialty Records em Chicago. Ele criou o famoso refrão da música - "wop bob alu bob um wop bam boom" - enquanto estava entediado de lavando louça. Ele também escreveu "Long Tall Sally" e "Good Golly Miss Molly" enquanto trabalhava no mesmo trabalho. As músicas entraram para a história do rock.