Pandemia reduz eventos do Orgulho nos EUA, mas alguns sobrevivem

MUNDO-LGBTQ:Pandemia reduz eventos do Orgulho nos EUA, mas alguns sobrevivem

NOVA YORK (Reuters) - A pandemia do coronavírus forçou o cancelamento da maioria dos eventos presenciais de Orgulho este ano, mas os organizadores de uma marcha em Manhattan neste domingo esperam atrair dezenas de milhares de pessoas às ruas em solidariedade aos manifestantes que exigem o fim da injustiça racial e da brutalidade policial.

A segunda marcha anual da Queer Liberation encerrará um mês de eventos do Orgulho, virtuais e presenciais, durante os quais a celebração das vidas LGBTQ se fundiu com as manifestações nacionais desencadeadas pela morte de George Floyd em Minneapolis no mês passado.

"O ato deve ser centrado no movimento pelas vidas Negras, focado em questões de brutalidade policial", disse Jay W. Walker, co-fundador da Reclaim Pride Coalition, o grupo que organiza a marcha.

O grupo organizou seu primeiro protesto no ano passado, caminhando na direção oposta à famosa parada do Orgulho de Nova York, rejeitando a grande presença policial uniformizada do evento e os onipresentes carros alegóricos patrocinados por empresas que normalmente passam pela 5ª Avenida de Manhattan a cada ano.

Este ano, a marcha promete ser o principal evento da cidade no domingo do Orgulho, uma vez que o desfile oficial foi cancelado em abril pela primeira vez em seus 50 anos de história devido à pandemia.