Encontrado manual esquerdista para debates

Parte do documento contendo orientações para debates entre esquerda e direita vaza na internet e se espalha como pólvora

Ainda não se sabe quem são os autores de um manuscrito de cinco páginas repletas de orientações para que esquerdistas de todo o país se saiam bem em qualquer debate com o inimigo, a saber, qualquer pessoa que não concorde com suas ideias.

Até o momento, as únicas informações divulgadas para a imprensa dão conta de que o documento deve ter sido produzido por cerca de 13 pessoas. Os garranchos, digo, as caligrafias encontradas são diferentes e nenhuma frase foi completada pela mesma pessoa.

Aparentemente, o esforço demandado na primeira parte da escrita sugava todas as energias do autor que, em seguida, precisava ser substituído por outro. Além disso, há diversas tentativas de correções de erros ortográficos por todo o manual. As revisões sobrepostas foram classificadas como “tentativas”, pois, apesar de todos os aparentes esforços, os textos continuam errados (pelo menos na Língua Portuguesa).

Tivemos acesso com exclusividade à imagem abaixo com um trecho do documento:

Manual esquerdista precisou de revisão da revisão

Manual esquerdista precisou de revisão da revisão

Reprodução

A regra dizia inicialmente: “Cempri ke un cer de direta vinher discuti, griti + autu”. Depois da primeira tentativa de correção (em vermelho), o texto passou a ser: “Çempri ke hun çer de direyta vimher discutí, gríti maiz auto”. A interpretação da dica, em português, seria: “Sempre que um ser de direita vier discutir, grite mais alto”.

Mais tarde, a segunda tentativa de revisão – em amarelo – sinaliza que “vinher” era com “n” mesmo e não com “m”, o que fica claro com a ajuda da legenda mais abaixo: “tavo sertu o premeru” (ou, “estava certo o primeiro”, em português). Ainda se discute se a indicação em número ordinal (1º) foi acrescentada em uma terceira correção ou se teria sido feita pela mesma “peçoua” (pessoa, em português) responsável pela segunda.

O manual também traz outras dicas que seguem abaixo em português (nos desculpamos por isso) para que você possa anotar e fazer uso se não quiser ser cancelado.

DAS VESTIMENTAS

– Qualquer pessoa que...
...não tiver uma camiseta do Che Guevara...
...não usar um broche com motivo de foice e martelo...
...não tiver um boné do MTST...
...não estiver portando uma bandeira vermelha em caso de protesto instantâneo...
...deve ser identificada imediatamente como inimiga em potencial.

DAS OPINIÕES

– Qualquer pessoa que...
...não concordar que Cuba e Venezuela são democracias...
...não concordar que construir estádios é melhor que fazer hospitais...
...não concordar que atrás de uma criança há sempre um ser oculto, no caso, cachorro...
...deve ser xingada de terraplanista.

DOS QUESTIONAMENTOS

– Qualquer pessoa que...
...fizer perguntas sobre a vacina contra a covid-19...
...estiver fazendo uma refeição sem máscara...
...quiser que os filhos voltem para a escola...
...não sair com colete inflável em dia de chuva... 
...deve ser acusada de genocida e inimiga da “çyëmssia” (ciência em português).

DAS ATITUDES

– Qualquer pessoa que...
...não jurar de pés juntos que “amigo” não é o codinome de Lula na lista de propinas da Odebrecht...
...disser que o triprék, digo, tríplex era de Lula...
...não confirmar que Fábio Luís Lula da Silva é o “Ronaldinho” dos negócios...
...não saudar a mandioca...
...deve ser queimada na “roda da justiça” (círculo de pneus em chamas ao redor do condenado).

Embora esses trechos não sejam nenhuma novidade, espera-se que as próximas divulgações tragam um material inédito e que, quando isso acontecer, não vai haver “quem ganhar nem perder, vai todo mundo perder”.

Esta crônica é uma ficção, mas poderia não ser.

Últimas