Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Carnaval Rio de Janeiro 2019
Publicidade

Jovem de 30 anos vira mestra de bateria e faz história no Carnaval

Thaís Rodrigues é uma das poucas mulheres a ocupar o posto dominado por homens; ela comanda os ritmistas da escola Feitiço do Rio

Rio de Janeiro|Camila Juliotti, do R7


Thaís é mestre de bateria da Feitiço do Rio
Thaís é mestre de bateria da Feitiço do Rio

Desde que o caso de Thaís Rodrigues veio à tona, ela virou "celebridade". É reconhecida nas ruas, recebe muitos pedidos de fotos e ganhou o apelido de "garota da bateria".

O assédio não é por acaso, Thaís está fazendo história no Carnaval. A jovem de 30 anos vai assumir a bateria da escola de samba carioca Feitiço do Rio, um posto dominado por homens — além dela, o único registro que se tem de uma mulher mestre de bateria é de Helen Maria, há 10 anos na Unidos do Uraiti.

A vida de Thaís no samba começou em meados de 2003. Na ocasião, ela visitou a quadra da Acadêmicos da Rocinha durante um ensaio e se apaixonou pelo som da bateria.

— Esperei um intervalinho, peguei um chocalho, toquei do jeito que eu achava certo. O mestre ouviu, gostou e me chamou pra participar dos ensaios e desfilar com eles. Desse ano pra cá não parei mais, só troquei de instrumentos. A minha grande paixão sempre foi o surdo de terceira, que toco hoje.

Publicidade

O convite para ser mestra da Feitiço, para a jovem, foi um reconhecimento do trabalho dela. Mas, quando recebeu a ligação do presidente da agremiação, Antônio Gonçalves, ela demorou a acreditar.

Ela recebeu o convite do presidente da escola
Ela recebeu o convite do presidente da escola

— Tomei aquele baque! Milhares de coisas passaram na minha mente. Pensei: "Tem tanta gente boa por aí. Eu, mestre?". A cabeça pensou uma coisa e a boca falou outra: "Claro, agora" [risos].

Publicidade

Além de comandar a bateria da Feitiço, Thaís desfila na Unidos da Tijuca desde 2011 tocando surdo de terceira e foi convidada pela Paraíso de Tuiuti para participar do desfile tocando o mesmo instrumento.

Dificuldades por ser mulher?

Publicidade

Por ser uma das poucas mulheres a ocupar o cargo de mestre de bateria, Thaís relata que já enfrentou preconceito e olhares desconfiados por parte de outros ritmistas homens.

A mestra está feliz por poder representar as mulheres
A mestra está feliz por poder representar as mulheres

— Lembro de uma vez que fui numa escola e, como a bateria estava muito cheia, tivemos de dividir os instrumentos. O mestre pediu para um senhor passar o instrumento pra mim, porque o ensaio ia acabar e eu não tinha tocado. Ele não gostou, começou a me xingar... foi todo um processo para o mestre conversar com esse senhor e tudo ficar bem. 

Em outra história curiosa, Thaís conta que um amigo e mestre de bateria de uma agremiação desconfiou quando ela disse que ela comandava o surdo de terceira microfonado da Rocinha.

— Tive que chamar o diretor da Rocinha para falar. Ele se desculpou, disse que todo ano fica escutando e acha muito bom, me parabenizou também. 

Leia também

Para Thaís, há uma crescente de mulheres nas baterias das escolas de samba e ela torce para que este movimento se amplie, seja nas agremiações ou nos blocos de samba. 

— Quero agradecer a todas as mulheres que desfilam nas baterias, que vêm tentando ser mestres e diretorias de baterias. As mulheres de blocos, de grupos de mulheres... estou muito feliz dessas pessoas virem me procurar e me agradecer. Mas, na verdade, eu tenho que agradecer essas pessoas que vieram antes de mim. Estou feliz de ter a oportunidade de estar representando todas elas.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.