Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Entretenimento – Música, famosos, TV, cinema, séries e mais
Publicidade

Karen Bachini se desculpa por falas polêmicas: 'Cabeça de garota fútil, branca e rica'

A influenciadora está sendo criticada por comentários que valorizavam a pobreza e comparavam modelos com trabalhadores rurais

Famosos e TV|Do R7


Karen Bachini publicou um vídeo em seu canal no YouTube em que se desculpa por algumas falas preconceituosas que fez em entrevistas e posts nos últimos dois anos. Na gravação, a influenciadora relembra quando disse que Selena Gomez merecia ser odiada pelos produtos de beleza que lançou e um comentário que romantizava a pobreza.

"Hoje eu vim reagir às m***** que falei na internet e me retratar, pedir desculpas por elas. Foram m*rdas absurdas, que não deveriam ter sido ditas, mas aconteceram. Vou começar no passado, por uma pela qual já pedi perdão muitas e muitas vezes, que foi a da Selena Gomez... Acho que o início das minhas falas idiotas é nesse momento. Em vez de eu falar sobre as maquiagens dela, falei uma m*rda gigante. Isso não é quem eu sou e quem eu quero ser, não gosto desse tipo de atitude. Não tem explicação, não tem como eu explicar o que estava passando pela minha cabeça nessa hora. Volto para pedir desculpas para todos os fãs da Selena, para todos que me assistem e para Selena, que fez uma linha de maquiagem visando pessoas que têm dificuldades motoras e doando parte do lucro para elas. Isso não devia ter saído da minha boca. Foi uma parte muito infeliz da minha vida que não deveria ter existido. Realmente, errei muito feio", começou Karen.

Logo depis, ela resgatou sua participação no podcast Divã da Diva, da Diva Depressão, em que disse que modelos sofrem mais que trabalhadores rurais. "Pra mim, quem faz o maior trabalho, o mais difícil que já vi até hoje, é modelo. Você pode achar que o cara da lavoura sofre mais, mas ele tem o horário dele e vai para casa feliz. Não sei se vocês já tiveram experiência de ir para a lavoura, mas eu já, e enrolei alface. É um trabalho difícil, mas é braçal, manual. No trabalho de um ator e de uma modelo, pelo meu ponto de vista, nada nunca está bom. Se você não é a Gisele Bündchen, você é um fracassado. Não estou dizendo que você é, mas é como a indústria, às vezes, te vê. A gente sabe que a pressão sobre o corpo da pessoa é 24 horas por dia", disse ela na ocasião.

Após ter refletido, ela se desculpou: "Aqui eu fiz uma comparação muito infeliz. Não deveria ter comparado profissões tão diferentes e um trabalho braçal que, na minha cabeça, eu tive alguma experiência com isso, mas não tive a experiência constante. Peço perdão. Diminuí uma profissão que é muito sofrida. O que eu queria dizer é que modelos e atrizes sofrem muita pressão psicológica, precisam emagrecer. A comparação que fiz foi injusta. A experiência que tive não retrata nem uma parte do que é esse serviço. Eu preciso entender mais sobre esses trabalhos, e não achar que são mais fáceis ou mais difíceis, porque eles não têm comparação. Também errei em dizer que o agricultor não sofre pressão psicológica, mas, às vezes, chove, ele perde a produção inteira e ele não sabe como vai pagar as despesas. O pior é que eu sabia disso tudo, porque meu pai é vendedor ambulante. Na minha cabeça de garota fútil, branca, rica, dentro da bolha, não lembrei dessas coisas tão importantes. Não sei nem como corrigir esse erro".

Publicidade

Karen também lamentou a fala problemática que fez no podcast DiaCast que romantizava a pobreza. Na época, ela disse que pessoas de Bali, na Indonésia, que não têm dinheiro, tampouco variedade de alimentos para comer, eram mais felizes do que quem tem.

"Aqui, a minha amiga Gabbie Fadel falou: 'Não vamos romantizar a pobreza', que era o que eu estava fazendo. Foi uma visão muito elitista. Eu queria dizer sobre viver com menos. Mas é claro que é muito mais fácil pra mim, que tenho privilégios e dinheiro, falar que quero ser mochileira com roupa para dois ou três meses se tenho para onde voltar", avaliou.

Publicidade

Por fim, Karen disse que vai usar o tempo para aprender mais sobre o lugar que ocupa e seus privilégios. "Eu vim realmente de baixo, minha família sempre foi muito simples. Tive que trabalhar desde os 18 anos. Trabalhei como vendedora, em imobiliária, como designer, maquiadora que faz noiva e 70 clientes num dia. De alguma forma, me deixei esquecer a vida que levei, e as dificuldades que passei não importaram, e só o que importa pra mim é o lugar onde estou agora... A estrada que vou trilhar agora, de aprendizado, vai ser bem longa. Espero que vocês tenham paciência comigo. Estou disposta a aprender. Espero que vocês me entendam e não desistam de mim", concluiu.

Assista ao vídeo:

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.