Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Música
Publicidade

Fãs de Taylor Swift relatam uso de remédio psiquiátrico e portões fechados em arrastão

A apresentação que a cantora faria no último sábado (18) foi adiada apenas quando os fãs já estavam no estádio

Música|Do R7


Taylor Swift ainda fará mais dois shows no Rio de Janeiro
Taylor Swift ainda fará mais dois shows no Rio de Janeiro

O show que Taylor Swift faria no último sábado (18) foi adiado para a próxima segunda-feira (20) por causa das altas temperaturas no Rio de Janeiro e da morte de uma jovem na apresentação de sexta-feira (17). Entretanto, o adiamento foi anunciado poucas horas antes de a cantora subir no palco, quando o público já estava dentro do estádio Nilton Santos, o Engenhão. Nas redes sociais, fãs relataram situações como pessoas sendo medicadas com remédios psiquiátricos e falta de auxílio da organização no momento em que ocorreu o arrastão.

Uma fã chamada Bel Rodrigues contou que não recebeu um bom atendimento nos postos médicos dentro do estádio. Ela disse que chegou cedo para conseguir um bom lugar, mas começou a se sentir mal e pensou que pudesse desmaiar. Ela disse que foi ao posto, a examinaram e ela voltou à pista para assistir à apresentação sentada, mas passou mal quando tentou levantar novamente.

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp

Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp

Publicidade

Compartilhe esta notícia pelo Telegram

Assine a newsletter R7 em Ponto

Publicidade

"Quando pedi para voltar ao postinho, a mulher simplesmente disse que estava ficando meio lotado e que ia me dar um clonazepam sublingual para eu me acalmar. Eu não precisava de calma, precisava de ajuda", detalhou.

O clonazepam é um medicamento psiquiátrico de uso controlado. Ele é conhecido pelo nome comercial de Rivotril e usado para tratar transtorno de pânico, ansiedade e convulsões. Com os relatos de fãs, o nome do remédio chegou aos assuntos mais comentados em uma rede social.

Publicidade

Outra crítica dos fãs de Taylor Swift à T4F, empresa responsável pela organização do evento no Brasil, é em relação à falta de auxílio de funcionários durante o arrastão. Quando aconteceu a saída do estádio após o anúncio do adiamento, o público precisou fugir dos assaltantes, e internautas contaram que os funcionários fecharam as portas do estádio e não forneceram abrigo ou segurança em meio ao ocorrido.

Veja abaixo alguns relatos:

O R7 entrou em contato com a T4F, mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem. Caso a empresa se pronuncie, o texto será atualizado.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.