Melhor Não Ler Consumidor se sente humilhado, chama a polícia e pede para ser preso

Consumidor se sente humilhado, chama a polícia e pede para ser preso

Aposentado faz barraco por cobrança indevida, mas ao descobrir a que se refere pede que policiais o prendam

As surpresas dos cupons fiscais

As surpresas dos cupons fiscais

Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Cliente fiel de uma rede de supermercados, o aposentado Jailson da Costa, de 75 anos, nunca havia se preocupado em conferir as notas fiscais de suas compras semanais. Mas, devido aos aumentos constantes nos preços dos produtos, decidiu fazer uma checagem. Ao se deparar com o que julgou ser uma cobrança indevida, imediatamente pediu ressarcimento ao gerente.

Costa alegou que não havia comprado os itens “trib fed” e “trib est” e que jamais compraria coisas tão caras como aquelas. Porém, o gerente esclareceu que as cobranças não se referiam a produtos, mas sim, a tributos federais e estaduais.

Incrédulo, o aposentado começou a gritar que estava sendo assaltado e logo uma viatura apareceu. Aos policiais, o consumidor acusou o estabelecimento de “tentativa de engabelação de idoso” e dizia que só um maluco acreditaria que todo mundo “dá para o governo” 30% de tudo o que compra no supermercado.

O policial esclareceu que, infelizmente, a cobrança era devida e se não houvesse tributação, ele não pagaria R$ 75 pelas duas sacolinhas que estava levando, mas sim, pouco mais de R$ 50. Ao perceber que o idoso não compreendia como algo tão absurdo poderia ser verdade, o gerente interveio para explicar de uma forma mais simples:

“Seu Jailson, cada vez que o senhor vem aqui comprar seus sete pãezinhos, nós precisamos cobrar dez, porque três vão parar na mesa dos políticos, entendeu?”

Ao cair a ficha, o aposentado estendeu as mãos diante do corpo com os punhos cerrados e fez um pedido emocionado ao policial: “Por favor, arranje uma cela para mim. Pelo menos vou ter cama e comida de graça!”

Esta crônica é uma ficção, mas poderia não ser...

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas