Melhor Não Ler A parte ruim de saber ler (e por que alertamos que é melhor não ler)

A parte ruim de saber ler (e por que alertamos que é melhor não ler)

Tudo nessa vida tem dois lados e, apesar de necessário, até mesmo saber ler pode nos trazer grandes infortúnios

Se você está cético sobre a tese aqui levantada de que até saber ler, algo tão básico e necessário, pode ter um lado ruim, seguem abaixo algumas defesas incontestáveis.

Escreve a moça do perfil @EstudanteDesempregada: “No Brasil tudo é político. Hoje aprendi que o prefixo “eiro” é preconceituoso, só serve pra profissões inferiores. Pedreiro, marceneiro, jornaleiro”.

Assim como prefixo é o que vai no início e não no fim da palavra, a garota que parece não estar desempregada à toa também inverteu a ordem: colocou a lacração antes da noção. Só nos resta saber o que ela diria sobre banqueiro ou engenheiro?

Os infortúnios de saber ler

Os infortúnios de saber ler

Pixabay

Sobre um post que dizia: “O Big Brother de George Orwell é o mais real de todos”, o rapaz que se autointitula o maior conhecedor de todas as edições do BBB, questiona: “Esse cara foi de qual edição? Confesso que não tô lembrando”.

Em uma discussão sobre os altos impostos cobrados no Brasil, contrariando todas as expectativas, eis que @ColetivoManasDeFé solta esta: “Gente, é melhor pagar imposto do que gastar o dinheiro à toa. O meu pai mesmo gasta tudo no bar. Pelo menos os políticos usam pra ‘luxar’, comprar coisa boa. E mesmo os caras roubando, a gente tem o SUS, que é onde a gente leva o pai quando ele cai bêbado na rua. Bêbado incomoda e eles sempre atendem rapidinho”.

Esta crônica é uma ficção, mas poderia não ser...

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas