Como falir uma empresa em três passos

Sucesso é algo relativo, logo, se o seu objetivo é quebrar uma empresa com uma estratégia infalível, aqui está a fórmula

Levar uma empresa às ruínas depende de três passos simples

Levar uma empresa às ruínas depende de três passos simples

Dimitris Vetsikas / Pixabay

Você já deve ter lido muito sobre como fazer uma empresa crescer, como obter mais lucro, como implementar programas de motivação para os colaboradores e todas essas coisas que os mentores do sucesso vivem dizendo por aí. Mas, como ficam as pessoas que querem vivenciar a experiência da falência? Em uma sociedade inclusiva não é possível fechar os olhos para essa parcela da população que não tem interesse algum nas regras do capitalismo malvadão.

Se queremos viver em uma sociedade mais justa, precisamos olhar com mais atenção para aqueles que buscam no fracasso tudo aquilo que o sucesso não foi capaz de lhes proporcionar. Uma vez que dinheiro não traz felicidade, talvez a resposta para uma vida plena de satisfação esteja na pobreza que só uma falência muito bem planejada pode trazer.

Para isso, reunimos os principais passos para quem quer quebrar qualquer tipo de negócio, por mais lucrativo que seja. Anote aí!

1. Contratação de funcionários

Seja adepto da estabilidade. Garanta a todos os funcionários que, independentemente do que façam, seus empregos estarão garantidos até a aposentadoria. O fato de saberem que poderão errar à vontade, atender os clientes de qualquer jeito e até mesmo que não precisam comparecer ao trabalho todos os dias os capacitará para serem cada vez piores. Mesmo o mais competente colaborador vai compreender, em pouco tempo, que compensa muito mais fazer o mínimo, já que para ele não faz diferença alguma. Em pouco tempo, os demais funcionários entenderão a mensagem e farão o mesmo sem que o empregador tenha que gastar um real sequer em treinamentos.

2. Equipamentos, dispositivos tecnológicos e ferramentas de trabalho

Mantenha sempre os piores, pois os funcionários não vão utilizá-los corretamente. Por meio da implantação orgânica da lei do mínimo esforço, eles jamais terão interesse em aprender a operá-los. Você terá uma empresa sucateada e lenta, que não vai usufruir de toda tecnologia disponível. O resultado disso será perceptível a todos os clientes e, ainda que você ofereça seus serviços de graça, eles preferirão pagar caro para serem atendidos em qualquer outro lugar. A perda de clientes com a implantação dessa medida é líquida e certa.

3. O cliente nunca tem razão

Como seus funcionários serão altamente desmotivados e os equipamentos ajudarão no processo de deixar o cliente totalmente insatisfeito, o número de reclamações será enorme. Porém, isso não é um problema para o empresário que deseja falir, ao contrário, pode ser uma fonte inesgotável de prejuízo. Tenha uma central de atendimento para reclamações com ligação gratuita, pois isso garantirá altos gastos para a empresa. Mas atenção: nunca resolva os problemas dos clientes, caso contrário, eles poderão achar que seus serviços funcionam. Trabalhe de acordo com a máxima: o cliente nunca tem razão e esse será o golpe final para o seu negócio.

Satisfação garantida sem jamais ter seu dinheiro de volta

O método dos três passos vem sendo implantado há décadas em empresas como Correios (com vários anos consecutivos de prejuízos astronômicos), Infraero (campeã das empresas deficitárias) e Petrobras (com prejuízo de R$ 2,71 bilhões em 2020, além da perda imensurável com esquemas de corrupção altamente eficientes). Os resultados falam por si só e a implantação da estratégia é o segredo do fracasso. Pode confiar!

Esta crônica é uma ficção, mas poderia não ser...

Últimas