Melhor Não Ler Deputado quer obrigar bancos digitais a terem agências físicas

Deputado quer obrigar bancos digitais a terem agências físicas

Projeto de lei de deputado progressista quer regredir ao passado proibindo que bancos digitais sejam... digitais

O mundo realmente parece estar de ponta-cabeça, igualzinho à obra 1984 de George Orwell, onde o lema do "Partido" – força política que controlava a nação – era: "guerra é paz, liberdade é escravidão e ignorância é força".

Dionísio Lins (RJ), deputado do Partido Progressista

Dionísio Lins (RJ), deputado do Partido Progressista

Alerj/Arquivo

Por aqui, o lema parece ser "progresso é regresso", afinal de contas, o deputado Dionísio Lins, do partido Progressista, teve a ideia de voltar ao passado e obrigar os bancos digitais a abrirem agências físicas para atendimento aos clientes nos municípios onde existam mais de cinco mil correntistas. Ou seja, se aprovada, a lei impedirá que bancos digitais sejam... bancos digitais!

Se você simpatiza com a ideia do deputado, aqui vão mais algumas que também podem lhe agradar:

Que aplicativos de transporte sejam obrigados a terem pontos fixos para os clientes que prefiram ir a pé até eles; e os aplicativos de entrega tenham pontos de coleta para quem não quiser receber os produtos em casa e prefira retirá-los.

Que empresas de energia elétrica sejam obrigadas a fornecer velas, lampiões ou lanternas para os clientes que queiram economizar na conta de luz; e que, da mesma forma, as companhias de gás também forneçam lenha.

Que as empresas de computador sejam obrigadas a fornecer máquinas de escrever, até porque elas são muito modernas, imprimindo ao mesmo tempo que a pessoa digita, coisa que nenhum computador faz.

Não é à toa que esta coluna se chama Melhor Não Ler...

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas