Melhor Não Ler Novo autoteste é aprovado pela AVISA: Detector de Hipocrisia e Incoerência

Novo autoteste é aprovado pela AVISA: Detector de Hipocrisia e Incoerência

Ferramenta baseada em um autoteste rápido detecta fingimentos, falsidades e contradições com índice de acerto de 99,99% 

Divulgação

A Agência Verificadora de Informações Sobre Autotestes (AVISA) acaba de aprovar o Detector de Hipocrisia e Incoerência (DHI). O novo autoteste consiste em responder a uma combinação aleatória de cinco perguntas entre as milhares de questões pré-programadas.

Caso as respostas sejam verdadeiras, será possível detectar se a pessoa está infectada com o vírus H1IN2, ou seja, se está sofrendo de hipocrisia e incoerência. Veja um exemplo abaixo:

1) Você vive dizendo que empresas de entrega devem cuidar mais da segurança dos motoboys, mas se a sua comida demorar mais do que 20 minutos você pontua o entregador com nota baixa e faz reclamação no aplicativo? (   ) SIM

2) Você apoia a existência de partidos comunistas em prol da liberdade de expressão, mas nem sequer sabe que o regime calou para sempre (matou, para quem não entendeu) mais de 100 milhões de seres humanos? (   ) SIM

3) Você é a favor da liberdade, mas apoia a imposição de passaporte sanitário sabendo que ele não impede que ninguém contraia qualquer vírus e nem que os transmita? (   ) SIM

4) Você é um adolescente de 30 anos que tem soluções para todos os problemas do mundo, mas vive na casa dos pais porque não consegue nem mesmo pagar as próprias despesas sozinho? (   ) SIM

5) Você vai para o Instagram xingar de covarde aqueles que pensam diferente de você, mas mantém uma conta privada para não se expor? (   ) SIM

Se você respondeu SIM para uma ou mais questões, isole-se imediatamente (principalmente das redes sociais), pois você, além de estar infectado, pode transmitir o vírus para outras pessoas. Pandemia de hipocrisia é uma das piores pestes que existem.

Esta crônica é uma ficção, mas poderia não ser...

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas