Melhor Não Ler Racismo reverso se reverte contra inexistência de reversão

Racismo reverso se reverte contra inexistência de reversão

Classificado como estrutural, o racismo está tão inserido na sociedade que se faz presente até nos momentos em que está ausente

aalmeidah/Pixabay

Embora até mesmo para o homicídio existam classificações diferentes separando o doloso (onde há intenção de matar) do culposo (onde não há intenção de matar), para o racismo não há nenhuma atenuante. Não importam as intenções quando qualquer pessoa se sente vítima de uma atitude considerada racista, ainda que não seja.

Qualquer um que não notar a diferença de cor do outro e não tiver o cuidado de pensar muito bem no que vai dizer e como vai se portar diante de tão grande distinção se arrisca a entrar para o rol dos racistas. E, como mencionado anteriormente, intenção não significa nada. Não haverá perdão para quem disser que não reparou. Como assim não reparou? Desde quando não se deve notar, antes de qualquer coisa, a cor da pele do outro?

Aliás, quem vier com essa de que racismo reverso existe vai cair do cavalo. Racismo só tem um lado, portanto, o outro grupo – aquele que sempre tem razão – pode fazer o que quiser. E, falando em cavalo, que história é essa de dizer que príncipes vêm montados em cavalos brancos? O que há de errado com os equinos de outras cores? Viu só como o racismo é estrutural e nem mesmo o reino animal escapa? #BlackHorsesMatter

Não é possível usar a palavra “reverso” quando o assunto é racismo. Basta analisar o termo em si, que significa “que está ou parece estar em posição oposta à normal”. O normal é que todos se oponham contra um lado, logo, como pode haver reversão se o correto é que as pessoas do lado errado sempre estarão no lado errado? Seria a reversão da reversão? Enfim, o que deve ser considerado é que sempre um lado estará certo enquanto o outro estará errado eternamente e querer inverter ou reverter essa realidade é algo imperdoável.

E para que as coisas fiquem mais às claras ainda é necessário repetir: não existe racismo culposo, ou seja, qualquer coisa que se diga, mesmo com a mais inocente das intenções apresenta dolo, isto é, intenção de reduzir o outro a nada. Mas, gente... será que ter usado a expressão “às claras” me torna racista também? Bom, isso não vem ao caso...

O que interessa é que nem mesmo as novelas do Grupo Lacrador de Televisão estão livres de pedir perdão por cenas onde o lado certo é mostrado como se fosse o errado. Apesar de incentivadores das divisões baseadas na cor da pele, os folhetins do grupo não podem dar um passo em falso ou serão severamente advertidos. Ninguém pode reverter o que não pode ser revertido, pois ainda que a reversão exista, deve ser tratada como se não existisse.

Essa crônica é uma ficção, mas poderia não ser...

Últimas