Garagem R7 Honda HRV oferece conforto e segurança, mas preço é salgado

Honda HRV oferece conforto e segurança, mas preço é salgado

Versão EXL, com motor 1.8 de 16 válvulas e câmbio automático CVT, não sai por menos de R$ 136,7 mil

  • Garagem R7 | Do R7

Honda HRV: prazer e segurança ao dirigir ao custo de mais de R$ 133 mil

Honda HRV: prazer e segurança ao dirigir ao custo de mais de R$ 133 mil

Raphael Hakime/R7

As três montadoras japonesas que mais vendem no país – Honda, Toyota e Nissan – já conquistaram a confiança do consumidor por aqui. Prova disso é o número de emplacamentos dessas empresas nos rankings oficiais. O Honda HR-V não foge a essa regra e caiu nas graças do brasileiro, ainda que o mercado nacional de veículos tenha sido contaminado, indiretamente, pela pandemia e não esteja tão aquecido como antes.

A reportagem acelerou por 1.000 km, entre estrada e cidade, a versão EXL, com motor 1.8 aspirado de 16 válvulas e o famoso câmbio automático CVT (aquele que mal dá para perceber a troca de marchas). De olho no consumo, o carro fez 12 km por litro na estrada com gasolina. Quando abastecido com etanol, a média caiu para 11 km por litro.

Ar-condicionado digital disponível na versão EXL

Ar-condicionado digital disponível na versão EXL

Divulgação/Honda

A segurança e o conforto a bordo do SUV são indiscutíveis e agradam a quem quer que esteja dentro do carro.

Quanto à tecnologia, o HRV ganhou alguns mimos da versão 1.5 Touring e ficou mais refinado. Porém, levar para casa a versão EXL, um pouco menos equipada que a Touring, custa ao menos R$ 136,7 mil - veja fotos ao final da matéria.

Com o anda-e-para das grandes cidades, o conforto do câmbio automático CVT permite dirigir sem percalços. Dificilmente, você sente uma mudança na transmissão. Essa mesma observação, vale para a estrada, onde o câmbio de 7 velocidades brilha tanto para quem acelera como para os demais ocupantes.

Do lado de fora, o HRV EXL ganhou alguns itens que só eram observados na versão 1.5 Touring. Adotou conjunto ótico full led (faróis alto, baixo e de neblina, luzes de rodagem diurna e lanternas traseiras) e um novo jogo de rodas, que o diferencia, junto com o Touring, das demais versões, mais baratas.

No detalhe, o câmbio CVT; partida no botão, porém, somente na versão Touring

No detalhe, o câmbio CVT; partida no botão, porém, somente na versão Touring

Divulgação/Honda

A dirigibilidade do HRV 2021 é um ponto positivo. O isolamento acústico, mesmo em alta velocidade, se destaca, bem como o conforto dos largos bancos do passageiro e motorista. Para quem vai do banco de atrás, não há problemas em esticar as penas – portanto, o espaço interno é razoável.

O acabamento interno vai na mesma linha: dificilmente você deixa de perceber a qualidade do couro dos bancos, o revestimento das portas e do console e a harmonia do estofamento com o painel – com sua característica inclinação para facilitar o acesso do motorista a todos os botões.

Tudo isso para chamar a atenção de um comprador que busca a boa relação custo-benefício, uma vez que o HR-V deverá mudar completamente de cara a partir de 2022. A versão repaginada já é uma realidade na Europa e desembarcará por aqui com aposta alta no futurismo, com design muito mais arredondado.

Central multimídia do HRV parece atrás dos rivais

Central multimídia do HRV parece atrás dos rivais

Divulgação/Honda

Por outro lado, a central multimídia do HRV se apresenta um tanto defasada em relação aos concorrentes. A tela, de 7 polegadas e que permite o espelhamento de smartphones com sistema Android e iOS, fica atrás de rivais que já inovaram nesse quesito. Sensível ao toque, a resposta não é imediata (há um mínimo delay).

Outro ponto que merece destaque é o computador de bordo, limitado a gráficos analógicos e que poderia já ter sido modernizado. Faz falta também o já comum alerta de colisão com frenagem automática – sistema presente em alguns concorrentes. Para completar, um mimo que faz diferença para o comprador mais exigente é a chave presencial com botão de partida. Esse item ainda não é realidade no HRV EXL – para muitos, apenas detalhe.

Prestes a sofrer uma mudança considerável de design e chegar totalmente repaginado em 2022, o HRV tem concorrentes fortes na categoria: Jeep Renegade, Chevrolet Tracker, Hyundai Creta, Jeep Compass, VW T-Cross, VW Nivus, Nissan Kicks e Renault Duster.

Mesmo com um páreo tão disputado, o HRV é o SUV japonês mais vendido do Brasil, com 13.182 unidades emplacadas de janeiro a abril. Diante dos demais concorrentes, porém, aparece na 7ª colocação, em um ranking liderado com folga pelo Renegade (25.744 unidades vendidas em 2021). Para encostar de novo na ponta, o HRV depende da confiança do comprador. E isso pode vir justamente do custo-benefício do SUV.

Últimas