O livro que fala das mulheres e caça às bruxas

Silvia Federic nos brinda com um livro que apresenta as raízes históricas dessas perseguições

Divulgação

Por que voltar a falar, hoje, sobre caça às bruxas? Em "Mulheres e Caça às Bruxas", Silvia Federici revisita os principais temas de um trabalho anterior, "Calibã e a Bruxa", e nos brinda com um livro que apresenta as raízes históricas dessas perseguições, que tiveram como alvo principalmente as mulheres. 

Federici estrutura sua análise a partir do processo de cercamento e privatização de terras comunais e, examinando o ambiente e as motivações que produziram as primeiras acusações de bruxarias na Europa, relaciona essa forma de violência à ordem econômica e argumenta que marcas desse processo foram deixadas também nos valores sociais, por exemplo, no controle da sexualidade feminina e na representação negativa das mulheres na linguagem. A partir desse debate, a autora nos mostra como as acusações e a punição de “bruxas” se repete na atualidade, especialmente em países como Congo, Quênia, Gana, Nigéria, e Índia.

Com apresentação da estudiosa Bianca Santana, orelha de Sabrina Fernandes e quarta capa da socióloga Maria Orlanda Pinassi, o livro conta também com capa sobre pintura de Vania Mignone, feita especialmente para a edição brasileira.

"Mulheres e Caça às Bruxas"
Tradução de Heci Regina Candiani.
168 páginas
R$ 37
Editora Boitempo